No final de 2020, Lucas Souza e Alexandre Baptista entrevistavam Filipe Melo e Juan Cavia para o podcast Costelinha quando, ao final da conversa, foram interpelados pelo português e o argentino: qual seria as indicações de vocês como a melhor HQ brasileira para nós?

A resposta veio rápida: Lucas indicou Yeshuah Absoluto de Laudo Ferreira; Alexandre indicou Mil Léguas Transamazônicas – Uma Aventura de Verne e Mauá de Spacca e Will.

As melhores HQs brasileiras 1

As melhores HQs brasileiras 2

Logo em seguida, no início de 2021, por ocasião do dia do quadrinho nacional em 30 de janeiro, motivados por este questionamento dos autores de Os Vampiros, Lucas e Alexandre imaginaram realizar uma lista com os melhores representantes dos quadrinhos nacionais para o site Ultimato do Bacon. No entanto, veio a dificuldade óbvia: como realizar uma lista, se não conhecemos tudo? Como pautar “as melhores”, se nossa leitura é parcial?

Foi assim que nasceu este projeto, que elenca as melhores HQs brasileiras, não a partir somente de méritos qualitativos ou técnicos e sim pelo prisma subjetivo, sua relevância a um determinado público ou leitor. Nossa intenção com a lista é de ajudar você, leitor, a mergulhar em uma infinidade de publicações que mostram a versatilidade e o poder da nossa produção nacional.

A lista de melhores HQs brasileiras deveria ter de tudo: terror, sci-fi, histórias regionais, críticas sociais e muito mais. E para isso, ela não poderia ser construída somente pelo time do Ultimato do Bacon.

Então convidamos e reunimos diversos nomes do mercado – de autores, roteiristas, desenhistas e coloristas a editores, lojistas, donos de gibiterias, organizadores de eventos e produtores de conteúdo; das mais variadas origens e formações – para que cada uma dessas pessoas pudesse elencar sua HQ nacional favorita.

Como sabemos que definir o “melhor” é algo bastante subjetivo, a estratégia era pedir aos convidados que citassem a sua HQ preferida “de todos os tempos”, mesmo sabendo que isso pode mudar com o tempo. Mas havia mais uma pequena questão…

Note o desafio: cada convidado poderia elencar APENAS UMA HQ de suas mais queridas e ela não podia ser igual às indicações anteriores.

O resultado? Mais de 30 HQs de diversos gêneros e temáticas, que representam muito bem a produção nacional e servem como um tremendo ponto de partida para leitores que queiram conhecer mais os quadrinhos brasileiros.

Foram nossos convidados:

  • Laudo Ferreira, Roberta Cirne, Marcel Bartholo, Germana Viana, Flavio Soares, Will “Sideralman”, Luis Carlos Sousa, Milena Azevedo, Rafael Dantas, Jean Lins, Flávio Luiz, Rodrigo Ramos e Leandro Robles;
  • Daniel Miranda (Negro Geek), Gustavo Sleman (Band Geek), D’Artagnan Sant’Anna (Dart Nerd), David Horeglad (HQ Ano 1), Paulo Cavagnari (Tosqueira Comix), Thiago Carneiro (Afro Nerd), Rômulo Miranda (Terra 52), Kim Martins (Review Express), Rodrigo “Barba” (Pelas Barbas de Odin), André Roberto “Brasuka” e Franz Lima;
  • Ricardo Elesbão (Confraria Bonelli), Marcello Fontana (autor, Editora Trem Fantasma), Lucas Pimenta (Editora Trem Fantasma), Guido Moraes (Editora Trem Fantasma), Daniel Saks (Ink&Blood Comics), Neimar Nunes (Editora Saicã), Thais Ometto-Brown (Le Chat Noir), Roberto de Castro (Universo Fantástico) e Daniel Balboa (Lazarus Comic Shop);
  • Além da “prata da casa”: Monique Michelon, Breno Raphael, Alexandre Baptista e Lucas Souza.

Além deles, infelizmente por uma questão de agenda ou imprevistos, outras convidadas e convidados não puderam participar desta vez. Mas certamente repetiremos essa série em breve. De toda forma, nosso muito obrigado a todas as pessoas que participaram deste projeto. Esperamos que você curta o resultado e aproveite nossas sugestões.

Boa diversão!


As melhores HQs brasileiras 3

Índice

As melhores HQs brasileiras – lista

Estórias Gerais de Wellington Srbek e Flavio Colin – indicado por Luis Carlos Sousa*

Estórias Gerais
Estórias Gerais é reconhecida por muitos como uma das melhores HQs brasileiras de todos os tempos.

Abrindo a nossa lista com “chave de ouro” está a incrível Estórias Gerais de Wellington Srbek e Flavio Colin. A HQ se passa em 1920 no interior de Minas Gerais e vemos um cenário dominado por cangaceiros, onde um deles se destaca por sua ferocidade: Antônio Mortalma. A trama é composta de diversas histórias curtas que são contadas pela ótica de personagens diferentes e formam uma grande – e mais complexa – história.

Um jornalista determinado a escrever sobre os relatos locais dá o pontapé inicial para a trama que trata de dois bandos de cangaceiros que brigam pelo domínio da região. Com um tom de humor “tragicômico”, a HQ nos guia através de uma narrativa leve, divertida e memorável – muito embora a entrelinha esconda situações mais sombrias.

Publicação: Estórias Gerais (1998) de Wellington Srbek e Flavio Colin foi publicada pela Conrad em 2007. Essa edição em particular é difícil de ser encontrada, por isso recomendo que você busque a edição lançada em 2012 pela editora Nemo (com o bônus de ter sido impressa com o tamanho original no qual as páginas foram desenhadas).

Quer saber mais sobre Estórias Gerais? Confira nosso review completo sobre a obra de Wellington Srbek e Flavio Colin!

*Luis Carlos Sousa é cearense e é um baita roteirista de HQs. Dentre suas obras temos a sensacional Lâmina Azulada feita em parceria com Rafael Dantas. Ainda destacam-se Capitão Rapadura 40 Anos e Projeto HQ Ceará. Você pode conhecer mais sobre seus projetos no instagram @luiscarlososousa.


Angola Janga de Marcelo D’Salete – indicado por Daniel Miranda (Negro Geek)*

As melhores HQs brasileiras 4
A obra de Marcelo D’Salete narra o dia-a-dia no quilombo dos Palmares, indicação de Daniel Miranda.

Angola Janga é uma HQ que traz uma biografia do Quilombo dos Palmares e que se passa no início do século XVIII. O interessante, segundo Daniel Miranda, é que se trata de um resgate histórico muito relevante e em um formato acessível, tangibilizando os fatos através de uma arte de tirar o fôlego. A obra não fala da história de Zumbi dos Palmares em si e sim da história do Quilombo como um todo.

A premiada HQ, ainda segundo Daniel, é um excelente instrumento para fazer com que jovens leitores tenham seu primeiro contato com os quadrinhos, já que traz informações relevantes que nem sempre são de fácil acesso ou possuem um formato tão atrativo.

Publicação: Angola Janga foi publicada em 2017 pela editora Veneta em capa dura e contendo 432 páginas com uma bela arte preto e branco.

*Daniel Miranda é um profundo leitor e conhecedor de HQs e atua como influenciador digital, indicando materiais nacionais e internacionais. O trabalho de Daniel Miranda pode ser conferido no instagram @NegroGeek.


La Dansarina de Lillo Parra e Jefferson Costa – indicado por Marcel Bartholo*

As melhores HQs brasileiras 5
A história do menino Petro, em busca de um funeral digno para sua mãe, é o tema da HQ indicada por Marcel Bartholo.

A HQ trata da gripe espanhola e se passa em São Paulo no ano de 1918. A arte de Jefferson Costa é um show à parte, mas o roteiro de Lillo Parra não fica atrás – com um ritmo dinâmico e extremamente envolvente. A trama apresenta o jovem Petro e narra os desafios do menino que embarca em uma jornada para dar um enterro digno para sua mãe, que faleceu vítima da pandemia.

La Dansarina era o apelido dado para a doença que é representada na HQ por uma dançarina.

Publicação: La Dansarina foi publicada em 2015 pela editora Quadro a Quadro; relançada em 2017 pela Jupati Books, a obra está atualmente esgotada e possui 136 páginas em uma história completa que vai cativar o leitor.

*Marcel Bartholo é um dos grandes nomes das HQs de terror brasileiras. Dentre suas inúmeras obras destacam-se O Santo Sangue, Canil e Lama. Os trabalhos do autor podem ser acompanhados no instagram @bartholomarcel.


Lampião… era o cavalo do tempo atrás da besta da vida de Antônio Klévisson Viana – indicado por Ricardo Elesbão*

As melhores HQs brasileiras 6
Os últimos dias de Lampião pelas mãos de Klévisson Viana estão na lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Ricardo Elesbão.

A HQ Lampião… Era o cavalo do tempo atrás da besta da vida trata dos últimos dias de Lampião. A obra se torna ainda mais especial e impressionante por conta do autor, Klévisson Viana, que é cordelista, roteirista e já escreveu para a TV. A história, que é recheada de ação, impressiona pela pesquisa histórica e fidelidade cultural. Uma obra que exala brasilidade e representa muito bem o cangaço e a vida de Virgulino Ferreira, o Lampião.

Todo referencial histórico e a pesquisa para criar o linguajar são muito elogiados pelos leitores por conta de sua acuidade. No final, e talvez o mais importante da HQ, seja o glossário ilustrado que mostra mais dos itens usados pelos cangaceiros e população sertaneja.

Confira nossa lista de Melhores HQs de Cangaço

Publicação: Lampião… Era o cavalo do tempo atrás da besta da vida foi lançada em 1998 pela editora Hedra e possui 64 páginas.

*Ricardo Elesbão está à frente de uma das maiores comunidades sobre quadrinhos Bonelli do mundo: a Confraria Bonelli. O trabalho da Confraria e de Elesbão podem ser conferidos no site https://confrariabonelli.org/.


Morro da Favela de André Diniz – indicado por Flavio Soares*

As melhores HQs brasileiras 7
A história do fotógrafo brasileiro Maurício Hora chega à nossa lista de melhores HQs brasileiras, indicação de Flavio Soares.

Utilizando-se de uma estética de alto contraste e próxima ao cordel, André Diniz conta a história do fotógrafo Maurício Hora, que nasceu e cresceu no Morro da Providência, no Rio de Janeiro. O morro onde Hora cresceu é considerado por muitos como a primeira favela do Brasil – e seu primeiro nome era Morro da Favela.

Segundo Flavio, a narrativa impressiona ao apresentar uma realidade brutal e uma história cheia de ação que não depende necessariamente da ação para se desenvolver. Na HQ são os acontecimentos diários que movem a trama e seus personagens.

Publicação: Morro da Favela foi lançada em 2011 pela LeYa, no selo Barba Negra, e possui 128 páginas em preto e branco.

*Flavio Soares é um premiado quadrinista nacional e dentre suas obras destacam-se A Vida com Logan, Lei de Murphy e O Crime de Lorde Arthur Savile. O trabalho de Flavio pode ser acompanhado no instagram @realflaviosoares.


O Quilombo Orum Aiê de André Diniz – indicado por Laudo Ferreira*

As melhores HQs brasileiras 8
Mais um trabalho de André Diniz chega à nossa lista de melhores HQs brasileiras por indicação do quadrinista Laudo Ferreira.

O trabalho de André Diniz se passa em 1835 e narra a jornada de Capivara, apelido de um menino escravo que cresceu ouvindo falar de um quilombo perfeito. Nesse quilombo mítico não há guerra, fome e nem doenças – a vida é ideal e todos vivem em paz consigo mesmos e com a natureza.

Após presenciar a Revolta dos Malês em Salvador, ele resolve que esta é a hora de tentar achar o tão sonhado Quilombo Orum Aiê e finalmente reencontrar seu pai.

Segundo Laudo Ferreira, é importante prestar atenção na bela construção dos personagens que é feita por André Diniz em seu trabalho. Laudo destaca ainda as interações entre os personagens – e que a realidade não é tão maniqueísta como às vezes a representamos.

Publicação: O Quilombo Orum Aiê foi lançada em 2010 pela editora Record e possui 112 páginas em preto e branco.

*Laudo Ferreira é um dos mais versáteis quadrinistas nacionais. O autor trafega facilmente entre o terror, o erótico, a sátira, a aventura e possui ainda histórias que envolvem religiosidade e espiritualidade. Dentre seus trabalhos destacam-se Tianinha, Histórias do Clube da Esquina e Yeshua – dentre muitos outros. Laudo ainda foi o responsável por dar o “pontapé inicial” na Ultimato do Bacon Editora ao realizar a 1ª edição da HQ bimestral Escafandro com o título O Vampiro. Acompanhe seu trabalho no instagram @laudoferreira.


Carolina de Sirlene Barbosa e João Pinheiro – indicado por Milena Azevedo*

As melhores HQs brasileiras 9
A história de Carolina Maria de Jesus, escritora descoberta na favela do Canindé, é o tema da HQ indicada por Milena Azevedo.

A HQ de Sirlene Barbosa e João Pinheiro conta a história da escritora Carolina Maria de Jesus. A trama aborda desde a infância pobre na favela do Canindé até a fama conquistada após a famosa matéria do Estadão e subsequente publicação de seu livro.

Milena destaca a importância da obra, que conta a vida da escritora negra que enfrentou diversas dificuldades antes e depois de ver seu livro Quarto de Despejo ficar no topo da lista de mais vendidos e ser publicado em 13 países na década de 60. Uma obra emocionante!

Publicação: A HQ Carolina foi publicada no Brasil em 2016 pela editora Veneta e possui 128 páginas em preto e branco contendo a história da autora.

*Milena Azevedo é uma roteirista de quadrinhos e historiadora brasileira. Milena começou sua caminhada nas HQs em Visualizando Citações e participou de obras como Amor em Quadrinhos, Gibi de Menininha, Penpengusa e o recente A Parteira. Seu trabalho pode ser acompanhado no canal Milena Azevedo GHQ.


Astronauta: Magnetar de Danilo Beyruth – indicado por Breno Raphael*

Astronauta Magnetar
A indicação de Breno Raphael traz uma Graphic MSP para a lista de melhores HQs brasileiras.

Em Astronauta: Magnetar, temos o clássico personagem de Mauricio de Sousa em uma pegada de ficção científica que poucas vezes vemos em quadrinhos nacionais.

Impressiona pelo cuidado nas referências astrofísicas, como quando explica o magnetar – “Magnetares ocorrem após a formação de estrelas de nêutrons, um dos possíveis estágios finais da vida de uma estrela super massiva” e tantas outras referências – supernovas, raios gama, buracos negros…

Na trama, acompanhamos Astronauta Pereira, integrante da BRASA (Brasileiros Astronautas), num naufrágio espacial. E lidando com os efeitos impostos a ele neste naufrágio, como a solidão, o racionamento de recursos como comida e água, o trabalho em cima de uma esperança de resgate. Até que em algum momento, tudo acaba: a esperança, o trabalho, os recursos e por fim, a solidão…

A obra foi o pontapé inicial das Graphic MSP, que traz os personagens da Turma da Mônica em releituras que nunca vimos antes. 

Publicação: A HQ Astronauta: Magnetar foi publicada originalmente pela Panini Comics em 2012 e marca a estréia da coleção Graphic MSP. A HQ possui 86 páginas coloridas.

*Breno Raphael é um dos responsáveis pelo site https://ultimatodobacon.com/ e suas redes sociais. Além de ser um grande conhecedor de HQs Brasileiras, Breno também é especialista em mangás.


Xampu – Lovely Losers de Roger Cruz – indicado por Alexandre Baptista*

As melhores HQs brasileiras 10
Sexo, (algumas) drogas e muito rock’n’roll – Xampu – Lovely Losers explora dramas reais de um grupo de amigos no começo dos anos 90 na indicação de Alexandre Baptista.

Xampu – Lovely Losers é o primeiro volume de uma trilogia, sendo uma obra “semi” autobiográfica de Roger Cruz.  Nela, Roger explora as interações de dramas de um grupo de amigos que se reúne no apê-república de alguns deles. Festas, muito rock’n’roll, paqueras, ensaios de bandas de garagem, sexo, drama familiar… e até os nerdões da turma que só querem saber de discutir Marvel x DC.

Passando-se no final dos anos 80 e começo dos anos 90, a obra retrata de forma muito emocional e sinestésica o ambiente e o clima da cena jovem paulistana desse período. Os botecos, os dilemas, as ansiedades da juventude… e o que move cada um dos personagens em direção ao futuro.

Segundo Alexandre, a obra o faz lembrar de cenas de sua própria vida, vivida em parte nesse ambiente da capital paulista – onde ele foi vocalista de uma banda de garagem chamada 4a Prova.

Publicação: Xampu – Lovely Losers foi publicado pela Devir em 2010 e republicado como Xampu #1 pela Panini em 2016 com 84 páginas em preto e branco.

*Alexandre Baptista é arquiteto, jornalista e Mestre em Estética e História da Arte, além de nerd, colecionador e leitor compulsivo. Ao lado de Lucas Souza é um dos responsáveis pelo site https://ultimatodobacon.com/, pelo canal Sobrecapa e pela Ultimato do Bacon Editora.


Coprólitos de Francisco Marcatti – indicado por Daniel Saks*

As melhores HQs brasileiras 11
A obra de Marcatti chega na lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Daniel Saks.

Prepare-se para um humor refinado escatológico e diferente que – certamente – não é para as pessoas de “estômago fraco”. Coprólitos é uma coletânea que reúne o trabalho do autor feito entre 1986 e 1992. O trabalho é excelente para acompanharmos o desenvolvimento do humor de banheiro que influenciou toda uma geração.

São 32 tramas curtas apresentadas ao leitor em ordem cronológica e que trazem personagens como: Tia Surubinha, a hemorróida de 1,80m, o homem das 10 mil bronhas e muitos outros.

Publicação: A coletânea Coprólitos foi originalmente publicada em 2013 pelo próprio Marcatti.

*Daniel Saks é editor e responsável pela Ink&Blood Comics que assumiu e deu continuidade às revistas clássicas Mestres do Terror e Calafrio. O trabalho da Ink&Blood Comics e de seu editor podem ser conferidos na página “Calafrio e Mestres do Terror” no Facebook.


Roseira, Medalha, Engenho e outras histórias de Jefferson Costa – indicado por Thiago Carneiro (Afro Nerd)*

As melhores HQs brasileiras 12
Jefferson Costa retorna à nossa lista em mais uma HQ nacional marcante, indicada por Thiago Carneiro.

A HQ de Jefferson Costa indicada por Thiago Carneiro (Afro Nerd) trata de um Brasil que é muito real mas que nem sempre ganha os holofotes; acaba escondido pelas grandes histórias urbanas.

A trama nos mostra a realidade de duas famílias que vivem no sertão nordestino durante a década de 70, cotidianos que desvendam os sonhos, decepções, conflitos e felicidades de cada um desses núcleos. Prepare-se para adentrar em um mundo cercado pelo cangaço, pelos “causos” que os parentes contam e por um retrato muito mais sofrido e real do que estamos acostumados a ver.

Um dos maiores benefícios dessa HQ é, segundo Thiago, a identificação que ela gera nos leitores brasileiros.

Publicação: Roseira, Medalha, Engenho e outras histórias foi lançado em 2019 pela editora Pipoca & Nanquim em uma edição capa dura contendo 224 páginas coloridas.

*Thiago Carneiro é influenciador digital e fala sobre quadrinhos e cultura pop em geral no seu canal @afronerd no Instagram.


Lavagem de Shiko – indicado por Rodrigo Ramos*

As melhores HQs brasileiras 13
O quadrinista Shiko entrega uma grande obra de terror social que possui inclusive um curta metragem feito pelo próprio autor.

Lavagem conta a história de uma religiosa, devota e linda esposa que habita as margens de um mangue com seu marido simples, desligado e com ares de “grosseirão agressivo”.

O relacionamento dos dois é distante e vemos um casal que parece não se conectar mais – o marido parece entender mais os porcos de seu chiqueiro do que a esposa. A chegada de um “homem de Deus” na casa do casal abala a dinâmica familiar e revela uma história realmente assustadora.

Rodrigo Ramos destaca a brasilidade da trama que mostra o terror entrando na casa de uma família que vive em um cenário que representa muito bem os cantos mais isolados do país. Rodrigo ainda destaca que a ágil trama vai te “convidar” a entrar na história para preencher os detalhes com sua própria experiência e imaginação.

Publicação: Lavagem foi lançado em 2015 pela editora Mino e conta com 72 páginas preto e branco que trazem uma história completa.

*Rodrigo Ramos é roteirista, designer e já resenhou obras para grandes sites como o Boca do Inferno. Em 2017 publicou sua primeira HQ ao lado de Marcel Bartholo – Carniça. A parceria logo ganhou outras duas obras: Canil e Lama. O trabalho do autor pode ser acompanhado no instagram @rodrigoramoshq.


Luzes de Niterói de Marcello Quintanilha – indicado por Lucas Souza*

As melhores HQs brasileiras 14
Luzes de Niterói de Marcello Quintanilha retrata o Rio de Janeiro na década de 50 na indicação de Lucas Souza.

A obra de Marcello Quintanilha não poderia ficar de fora de nossa lista de melhores HQs brasileiras. Nessa obra, o autor nos transporta para a cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, nos anos 50.

Acompanhamos a história de dois amigos, Hélcio e Noel, que se aventuram na baía de Guanabara em busca de peixes e acabam sendo pegos por uma tempestade que faz ambos descobrirem um pouco mais sobre si mesmos e sobre a sua amizade.

A trama envolve futebol, boemia e, é claro, uma aventura em um dos cenários mais conhecidos do país. Segundo Lucas, a obra é especial por retratar um Rio de Janeiro mais real – ainda que antigo – e por mergulhar fundo na construção da amizade entre os dois protagonistas, que passam verdadeiros momentos de terror.

Publicação: Luzes de Niterói foi lançada em 2018 pela Editora Veneta e conta com 232 páginas coloridas e capa dura.

*Lucas Souza é publicitário e colecionador de HQs. Ao lado de Alexandre Baptista é um dos responsáveis pelo site https://ultimatodobacon.com/, pelo canal Sobrecapa e pela Ultimato do Bacon Editora.


Irmãos Grimm em Quadrinhos de diversos autores – indicado por Thais Ometto-Brown*

As melhores HQs brasileiras 15
A gata borralheira escrita por Fido Nesti é um dos contos encontrados na HQ Irmãos Grimm em Quadrinhos, indicada por Thais Ometto-Brown.

Os clássicos contos de fada dos irmãos Grimm são reinterpretados por autores nacionais nessa coletânea indicada para nossa lista de melhores HQs brasileiras pela editora e publisher Thais Ometto-Brown da Le Chat Noir. As histórias são adaptações das obras originais e trazem interpretações e releituras incríveis para os contos.

A obra é composta pelos contos:

  • O Velho Sultão, de Allan Alex;
  • A Gata Borralheira, de Fido Nesti
  • João Porco-Espinho, de Claudio Mor;
  • Os Músicos de Bremen, de Vinicius Mitchell;
  • O Pequeno Polegar, de Daniel Og;
  • Hansel e Gretel (João e Maria), de Carlos Ferreira e Walter Pax;
  • João Sortudo, de Rafael Sica;
  • Branca de Neve, de Rafael Coutinho;
  • O Rei Barbicha, de Eduardo Filipe, o Sama;
  • Chapeuzinho Vermelho, de Arthuro Uranga;
  • Margaret Esperta, de Roberta Lewis;
  • As três Línguas, de Odyr;
  • Rapunzel, de Fabio Lyra
  • A Bela Adormecida, de Allan Rabelo, S. Lobo e Mr. Blond.

Publicação: Os Irmãos Grimm em Quadrinhos foi lançada em 2008 pela Editora Desiderata e conta com 173 páginas preto e branco e capa cartão

*Thais Ometto-Brown é publisher na Le Chat Noir em São Paulo. Trabalhou como coordenadora de arte em diversas editoras como Escala Educacional, Leya e Set, com foco principalmente nos livros didáticos. Foi coordenadora dos projetos Literatura e Literatura Brasileira em Quadrinhos da Escala Educacional.


Cangaceiros – Homens de Couro de Wilson Vieira e Eugênio Colonnese – indicado por Lucas Pimenta (Trem Fantasma)*

As melhores HQs brasileiras 16
Wilson Vieira e Eugênio Colonnese entregam uma excelente história nessa HQ de 2004 indicada por Lucas Pimenta.

Cangaceiros – Homens de couro de Wilson Vieira e Eugênio Colonnese é o começo da história de Lampião até sua iniciação no cangaço.

A trama, que tem uma pegada de suspense forte, dá ênfase ao lado social destacando o sofrimento que era viver no sertão com os problemas causados pela seca, os interesses e disputas locais e pelas volantes corruptas.

Com capa de Mozart Couto, a HQ aborda os 22 primeiros anos de vida do homem que virou símbolo do cangaço. Segundo o editor Lucas Pimenta, a ideia, surgida ainda em 1985, deveria gerar uma série. Acabou só se concretizando em 2004 num volume único até hoje.

Publicação: Cangaceiros – Homens de Couro foi lançada em 2004 pelo Clube dos Quadrinhos – CluQ e conta com 104 páginas em preto e branco.

*Lucas Pimenta é editor e um dos responsáveis pela Editora Trem Fantasma. O trabalho de Lucas Pimenta, um apaixonado por Ken Parker, pode ser conferido no instagram @editoratremfantasma.


Jaguaretê e o Fim do Mundo (in: Mestres do Terror #34) de Sidomar de Castro e Rubens Cordeiro – indicado por Marcello Fontana (Trem Fantasma)*

As melhores HQs brasileiras 17
Uma história curta de 10 páginas publicada na Mestres do Terror foi a escolha de Marcello Fontana para nossa lista.

Marcello Fontana cita que a curta HQ foi escolhida por marcar o leitor com uma trama de qualidade excepcional e um roteiro bem elaborado. O personagem principal da trama, Jaguaretê, aparece ainda em outros números da revista Mestres do Terror.

Na trama, o índio Jaguaretê enfrenta um monstro mítico da cultura tupi-guarani, o Ipupiara. O monstro, que estava matando índios, é confrontado pelo herói e dá uma justificativa inesperada para suas ações, dizendo que seus crimes são cometidos por piedade para que os bravos índios não vejam o fim dos tempos. A marcante cena final explica melhor a premonição e chega a arrepiar…

Publicação: Jaguaretê e o Fim do Mundo foi lançada em 1985 na revista Mestres do Terror #34. A história é em preto e branco e conta com 10 páginas.

*Marcello Fontana é editor e quadrinista, sendo autor da série Never Die Club e  um dos  responsáveis pela Editora Trem Fantasma. O trabalho de Marcello Fontana pode ser conferido no instagram @editoratremfantasma.


Todo Bob Cuspe de Angeli – indicado por Leandro Robles*

As melhores HQs brasileiras 18
O icônico personagem de Angeli ganha destaque em nossa lista de melhores HQs brasileiras através da indicação de Leandro Robles.

O personagem Bob Cuspe fez muito sucesso na revista nacional Chiclete com Banana, um fenômeno nos anos 80 que chegava a tiragens de 100.000 exemplares mensais.

Bob Cuspe foi a grande resposta do cartunista Angeli aos excessos dos anos 1980, à hipocrisia reinante da elite cultural e financeira, à vida espalhafatosa e deslumbrada dos yuppies que vicejaram no Brasil após o fim da ditadura.

Seu brinco era um grampo, suas roupas não passavam de trapos, a porta de sua casa era um bueiro e suas bandas favoritas eram os Ramones, os Ratos de Porão, os Sex Pistols e The Clash.

Um personagem icônico, que segundo o próprio Leandro Robles, influenciou muito sua juventude e seu trabalho como quadrinista ao “cuspir” na cara da sociedade.

Publicação: Todo Bob Cuspe foi lançada em 2015 pela editora Quadrinhos na Cia. e publica as histórias lançadas na antiga Chiclete com Banana em 232 páginas de quadrinhos em preto e branco.

*Leandro Robles é ilustrador e criador da Escola de Animais, publicada pela Folha de São Paulo entre 2003 e 2009 e da tirinha online do Macaco Albino – que esteve presente em animação no Anima Mundi. Sócio fundador da Pingado Sociedade Ilustrativa, Robles é sempre lembrado por suas charges na revista SET e pela animação “Vamo Dale P****”.


Dois Irmãos de Fábio Moon e Gabriel Bá – baseado no romance de Milton Hatoum – indicado por Will “Sideralman”*

As melhores HQs brasileiras 19
A adaptação do romance de Milton Hatoum feita pelos irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá chega à nossa lista de melhores HQs brasileiras através do Will.

Os irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá adaptam o romance de Milton Hatoum e recriam a narrativa dos irmãos gêmeos Yaqub e Omar. A trama acontece em Manaus e mostra a história dos irmãos que se tornam rivais e de como essa rivalidade afeta e abala toda a família. A HQ é marcada por personagens icônicos como Domingas, Halim, Zana e Dália e alterna momentos de felicidade familiar com o crescente e marcante afastamento dos irmãos.

Segundo Will, um dos pontos altos da HQ é a transformação da cidade de Manaus, que é muito bem representada desde o começo da obra, na década de 50. Ainda segundo o quadrinista, é muito interessante perceber como ficam claras e perceptíveis as mudanças históricas que o Brasil passa no período – como a ditadura militar. Tudo isso serve como plano de fundo e enriquece ainda mais a história em quadrinhos.

Publicação: Dois Irmãos foi lançada em 2015 pela editora Quadrinhos na Cia. e possui 232 páginas de quadrinhos em preto e branco.

*Will “Sideralman” é um quadrinista nacional que já entregou diversas obras icônicas como O louco, a caixa e o homem, Mil Léguas Transamazônicas – Uma Aventura de Verne & Mauá, as HQs de Demetrius Dante entre outras.


Beco do Rosário de Ana Koehler – indicado por Rafael Dantas*

As melhores HQs brasileiras 20
A obra de Ana Koehler, indicada por Rafael Dantas, traz uma história que se passa na Porto Alegre dos anos 20.

Beco do Rosário traz a história da jovem negra Vitória, que tem grandes ambições na vida e talento para escrita. A jovem, que sonha se tornar jornalista, precisa enfrentar uma sociedade cheia de preconceitos e estigmas.

A HQ ainda mostra o conturbado processo sanitarista de expansão da capital gaúcha e retrata os dilemas vividos no Beco do Rosário – local onde a protagonista mora e que dá nome à obra. A HQ ainda mostra os laços de Vitória com Teo, amigo que vem de uma família rica, e Fabrício, um jovem artista negro.

Segundo Rafael Dantas, além da trama, o leitor deve observar a bela arte de Ana Koehler que é um verdadeiro “show à parte”, resgatando a arquitetura e cenários urbanos da época.

Publicação: Beco do Rosário foi lançado em 2020 pela Veneta e conta com 112 páginas coloridas.

*Rafael Dantas é quadrinista, autor de Mandacaru Vermelho e responsável pela arte de Lâmina Azulada, entre outros. O trabalho de Rafael pode ser acompanhado no instagram @rafaeldantasart.


Bando de Dois de Danilo Beyruth – indicado por D’Artagnan Sant’Anna (Dart Nerd)*

As melhores HQs brasileiras 21
Tenente Honório caça e desonra cangaceiros na HQ Bando de Dois, indicada por D’Artagnan Sant’Anna.

Danilo Beyruth aparece pela segunda vez em nossa lista, por indicação de D’Artagnan Sant’Anna.

A trama, de ritmo rápido e intenso, mostra o confronto direto de 2 cangaceiros sobreviventes de um massacre que ocorre com seu bando.

Cavêra di Boi e Tinhoso partem para vingar seus companheiros após sonharem com os amigos mortos clamando por justiça. O Tenente Honório que se cuide! Vale ressaltar que a narrativa gráfica de Beyruth nessa HQ impressiona e, aliada ao inteligente roteiro e ao ritmo veloz, tornam a leitura memorável.

Segundo D’Artagnan, a HQ ganha a atenção do leitor ao misturar elementos hardcore com a cultura do cangaço.

Publicação: Bando de Dois foi lançado em 2010 pela Zarabatana Books em preto e branco e ganhou uma versão totalmente em cores em 2020.

*D’Artagnan Sant’Anna é colecionador de quadrinhos e frequentemente colabora com o Ultimato do Bacon através de seus excelentes textos. O trabalho de D’Artagnan pode ser conferido no instagram @dartnerd e no canal Dart Nerd.


Os Fabulosos de Roger Cruz – indicado por Flávio Luiz*

os fabulosos
O trabalho do quadrinista Roger Cruz aparece novamente em nossa lista pela indicação de Flávio Luiz.

Os Fabulosos é uma paródia da equipe dos mutantes da Marvel criada por Roger Cruz enquanto trabalhava para a editora americana e se empolgava com o primeiro filme dos heróis. A pegada cômica da HQ brinca com as personalidades e situações que normalmente ocorrem em HQs de super-heróis e, especialmente, nas aventuras “X”.

O humor despretensioso e ao ponto da HQ é, segundo Flávio Luiz, um dos seus grandes trunfos.

Publicação: Os Fabulosos foi lançada de forma independente em 2019 em uma campanha de crowdfunding na plataforma Catarse. A HQ possui 120 páginas em preto e branco.

*Flávio Luiz é quadrinista e possui grandes sucessos como as séries Aú, O Capoeirista, Agente Sommos O Cabra, entre outros. O trabalho de Flávio Luiz pode ser acompanhado no instagram @flavioluizocabra.


Chet de Wilde e Watson Portela – indicado por Neimar Nunes (Editora Saicã)*

Chet
Chet é um cowboy brasileiro criado na esteira do sucesso de Tex e indicado por Neimar Nunes.

Era o começo dos anos 80 e a editora Vecchi tinha um sucesso em mãos: Tex! Satisfeita com as vendas, a editora encomendou a criação de um novo herói do faroeste chamado Chet.

As histórias do herói brasileiro do western foram escritas e desenhadas pelos irmãos Wilde e Watson Portela, com histórias inicialmente publicadas na revista Ken Parker e, posteriormente, em revista própria, com 22 edições publicadas.

Segundo Neimar, os 22 números de Chet – que é uma adaptação ortográfica do nome Tex ao contrário – trazem histórias de faroeste em alto nível que mostram o assassinato da esposa do herói e sua busca por vingança. Os diversos plots trazem histórias clássicas do gênero, cheio de ação e aventura.

Publicação: Foram editadas ao todo 22 edições de Chet pela editora Vecchi. O personagem encerrou sua caminhada com a história Os Proscritos (edição de setembro de 1982). Também foi lançado um número especial intitulado Desejo de Vingança (que compila as histórias publicadas em capítulos na revista Ken Parker).

*Neimar Nunes é colecionador de quadrinhos e responsável pela Editora Saicã, que traz atualmente a excelente Adam Wild de Gianfranco Manfredi para o Brasil. Acompanhe o trabalho de Neimar e da Editora Saicã no instagram @editorasaica.


Pinacoderal – Rudimentos da Linguagem de Diego Gerlach – indicado por Paulo Cavagnari (Tosqueira Comix)*

As melhores HQs brasileiras 22
O trabalho do gaúcho Diego Gerlach ganha espaço na lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Paulo Cavagnari.

Pinacoderal – Rudimentos da Linguagem é uma compilação dos trabalhos escritos e desenhados por Diego Gerlach de 2009 até 2016. Pinacoderal é uma cidade fictícia onde habitam os mais diferentes e inusitados personagens como Caranguejeira, Dr. Jeová e Boy Rochedo.

Segundo Paulo, a HQ é atraente por apresentar 9 personagens principais que não seguem uma história única ou um “grande plot”. A obra é realmente um apanhado de “contos” que retratam de maneira metafórica as experiências do próprio autor.

Publicação: Pinacoderal – Rudimentos da Linguagem foi lançado em 2019 pela editora Pé-de-Cabra e possui 252 páginas em preto e branco. 

*Paulo Cavagnari é colecionador e produtor de conteúdo sobre HQs nacionais. Seu trabalho e conteúdo podem ser acompanhados no instagram @tosqueiracomix e no site https://tosqueira.com.br/.


Lâmina Azulada de Luis Carlos Sousa e Rafael Dantas – indicado por Daniel Balboa (Lazarus Comic Shop)*

Lamina Azulada
Daniel Balboa traz a HQ de Luis Carlos Sousa e Rafael Dantas à nossa lista.

Lâmina Azulada conta a saga de Euclides, um cangaceiro que enterra seu amigo fiel, o cão Curió, desejando para si o mesmo destino. Nesse momento, conhece Severino – uma das várias facetas da morte.

Euclides é então convocado para ser arauto de Severino; como se recusa a barganhar com a morte, tem um castigo imposto sobre si: perder o direito de morrer.

A partir daí, o cangaceiro parte em busca da Lâmina Azulada para, através dela, reaver seu direito. Perdido e sem rumo, Euclides conta com a ajuda de Iara, a Mãe d’Água, para encontrar o artefato místico forjado no aço de Avalon, partindo em seguida em busca de seu direito à morte.

Publicação: Aprovada no XI Edital das Artes da Secretaria de Cultura do Ceará promovido em 2016, Lâmina Azulada tem 92 páginas em preto e branco e foi lançada em 2020.

*Daniel Balboa é um grande apoiador de quadrinhos nacionais e dono de uma das comic shops mais charmosas do Rio de Janeiro – a Lazarus. Conheça o trabalho da Lazarus na própria loja, no bairro de Laranjeiras, ou no instagram @lazaruscomicshop.


Quadrinhos A2 de Cris Eiko e Paulo Crumbim – indicado por Jean Lins*

As melhores HQs brasileiras 23
A obra de Cris Eiko e Paulo Crumbim chega à nossa lista por indicação de Jean Lins.

Quadrinhos A2 é uma série de Cris Eiko e Paulo Crumbim, dupla responsável pelas Graphic MSP do Penadinho, que aborda questões e situações do cotidiano da dupla em diversas histórias curtas. Pino, o cachorrinho deles, também é personagem recorrente nas tramas.

O tema das HQs varia muito e, segundo Jean, temos desde narrativas sobre o lançamento da 1ª HQ do casal até enredos mais inusitados – como a história de uma “meleca”. O humor cotidiano, é no fim das contas, o grande ponto em comum dessas divertidas histórias.

Publicação: Quadrinhos A2 começou a ser publicado em 2011 e já conta com 6 volumes. As HQs da série contam com mais de 130 páginas em preto e branco.

*Jean Lins é maceioense e quadrinista. Dentre os sucessos do autor destacam-se Contos de Griô, o Espelho da Verdade e Dandara. O trabalho do autor pode ser acompanhado no instagram @_jeanlins.


Talco de Vidro de Marcello Quintanilha – indicado por Monique Michelon*

Talco de Vidro
Quintanilha aparece mais uma vez em nossa lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Monique Michelon.

O quadrinista Marcello Quintanilha aparece mais uma vez em nossa lista com a HQ Talco de Vidro. A obra explora a vida de Rosângela, uma dentista niteroiense que mergulha em uma espiral de autodestruição. O autor cria uma personagem que – aparentemente – tem tudo: boa profissão, casada, moradia… e mesmo assim começa a causar a destruição de sua própria vida.

Segundo Monique, temos uma HQ bem pesada e que vai fazer o leitor pensar e refletir bastante. A arte, que desconstrói a ideia de quadrinho clássico, é mais um dos grandes diferenciais do trabalho de Quintanilha.

Publicação: Talco de Vidro foi originalmente publicado em 2015 pela editora Veneta e conta com 160 páginas em preto e branco.

*Monique Michelon é leitora de quadrinhos e ávida consumidora de cultura geek. Fundadora do Sobrecapa, é colaboradora do UB nos bastidores e produtora de conteúdo. Afastou-se das mídias sociais para dedicar-se à carreira administrativa. Como Mestre Jedi, tem treinado com afinco a jovem padawan Barbara.


O Monstro – Lembranças de Fábio Coala – indicado por Guido Moraes (Trem Fantasma)

Monstro Lembrancas
O traço e o roteiro de Fábio Coala chegam à nossa lista de melhores HQs brasileiras por Guido Moraes.

O Monstro, de Fábio Coala tem uma premissa divertida e emocionante. Rebatizada como O Monstro – Lembranças em seu segundo lançamento, a HQ traz um pequeno monstrinho de pelúcia que interage com diversas crianças através da imaginação dos pequenos.

Segundo Guido, a obra dialoga bastante com conceitos como empatia e fala sobre como lidar com seus próprios “monstros” internos. Guido ainda diz que essa é uma ótima obra de entrada para quem não está tão acostumado a ler quadrinhos.

Publicação: O Monstro – Lembranças foi lançado em 2013 de maneira independente e republicado em 2014 pela Jupati Books, contando com 208 páginas em preto e branco.

*Guido Moraes é apaixonado por quadrinhos e um dos membros fundadores da Editora Trem Fantasma. Seu trabalho pode ser conferido no instagram @editoratremfantasma.


Salto de Rapha Pinheiro – indicado por Rômulo Miranda*

Salto
Rapha Pinheiro cria uma obra magnética na HQ Salto, indicada por Rômulo Miranda.

A HQ de Rapha Pinheiro é uma obra steampunk que aborda temas como preconceito e abuso de poder.

Na história acompanhamos a jornada de Nu, o habitante de uma cidade onde toda a população é feita de fogo. Com medo da chuva, os habitantes dessa cidade se trancam em uma caverna e constroem uma nova cidade. A jornada de Nu é uma aventura de redescoberta e libertação.

Rômulo Miranda destaca que a história é memorável por possuir diversas camadas de aprofundamento na leitura e pela bela arte de Rapha que pode ser vista em lindas splash pages.

Publicação: Salto foi lançada em 2017 pela Avec Editora e conta com 96 páginas coloridas.

*Rômulo Miranda é leitor e colecionador e produz conteúdo sobre quadrinhos para o canal Terra 52 e para o Ultimato do Bacon.


Fetichast – Províncias do Desejo de Márcio José Nicolosi – indicado por Roberta Cirne*

Fetichast
Márcio José Nicolosi cria uma obra memorável que chega à nossa lista por indicação de Roberta Cirne.

O grande Nicolosi, conhecido por seu trabalho nas produções de Maurício de Sousa, cria em Fetichast – Províncias do Desejo uma obra icônica, que satiriza a situação do Brasil na época de sua publicação em 1991.

Nela conhecemos o país de Fetichast, dominado pela elite pensante, pela forte repressão intelectual e dominado pela mídia, de baixa qualidade e grande repercussão. A maioria de seus habitantes, viciados na programação midiática – em especial da televisão – se preocupam demais com aparência, opiniões e afins.

Segundo Roberta, além de ser uma trama extremamente atual e com críticas relevantes, o trabalho ainda ganha mais brilho por conta da arte de Márcio José Nicolosi, que não poupa celebridades conhecidas ou antigos empregadores.

Publicação: Fetichast – Províncias do Desejo foi lançado em 1991 pela editora Sampa e conta com 98 páginas em preto e branco.

*Roberta Cirne é escritora, roteirista e quadrinista, com foco em HQs e histórias de terror. Participou do projeto Gibi de Menininha e seu trabalho com minicontos de terror online – Sombras do Recife – pode ser conferido em aqui.


Zamor, O Selvagem de Franco De Rosa e Mozart Couto – indicado por Roberto de Castro*

As melhores HQs brasileiras 24
A obra de Mozart Couto e Franco de Rosa traz um bárbaro que habita em um mundo fantástico na indicação de Roberto de Castro.

Um universo fantástico recheado de criaturas incríveis e perigos diários. Esse é o cenário onde Zamor, o Selvagem habita. A luta do solitário personagem, que vaga pelo mundo com sua adaga energética, é pela sobrevivência.

Segundo Roberto, a obra se torna muito interessante por trazer um bárbaro diferente do habitual “ávido por batalhas” que estamos acostumados. Zamor busca apenas a sobrevivência em um mundo muito perigoso.

Publicação: Zamor, o Selvagem foi originalmente lançado em 1982 ganhando em 2020 uma edição nova pela editora Universo Fantástico. Com 112 páginas, a edição possui 32 páginas coloridas e o restante em preto e branco.

*Roberto de Castro é colecionador e responsável pela editora Universo Fantástico. A editora pode ser acompanhada no instagram @editorauniversofantastico.


Penpengusa de Milena Azevedo e Rodrigo Xavier – indicado por Germana Viana*

Penpengusa
A temática futurista e steampunk são as apostas de Milena Azevedo na HQ Penpengusa.

Penpengusa é uma HQ que se passa no ano 3050. Vemos uma Terra que precisou se reinventar após o cataclismo nuclear e agora apenas o vapor e a eletricidade movem o mundo. A trama acompanha Duluoz, personagem que faz parte da Corporação da Polícia e acredita estar fazendo o melhor – e mais justo – pelo mundo.

Ao descobrir que as coisas são diferentes do que aparentam, Duluoz precisa escolher entre fazer o certo ou se manter fiel a um sistema que está sendo manipulado.

Germana Viana diz que um dos grandes atrativos da obra é o clima que parece uma mistura de Blade Runner com steampunk, noir e cultura oriental.

Publicação: Penpengusa foi publicada pela Zarabatana em 2019 e conta com 144 páginas em preto e branco.

*Germana Viana é uma premiada quadrinista nacional reconhecida por diversos trabalhos. Dentre eles se destacam o projeto Lizzie Bordello, Gibi de Menininha e Ménage. Seu trabalho pode ser acompanhado no instagram @germana_fazgibi.


Castanha do Pará de Gidalti Jr. – indicado por André Roberto “Brasuka”*

Castanha do Pará de Gidalti Jr
A história do garoto Castanha chega à nossa lista de melhores HQs brasileiras por indicação de André Brasuka.

O personagem principal desta história é o garoto Castanha, que dá nome à obra: um adolescente marginalizado pela condição social em que vive.

Filho de uma família disfuncional, oprimido pelo padrasto que o criou e pelo descaso do Estado, perambula pelas ruas da cidade de Belém, ao redor do mercado Ver-o-Peso, onde tira vantagens de situações diárias em busca de abrigo, alimento e atenção.

Um cenário semelhante a tantos outros existentes no Brasil, marcado por vários contrastes estéticos e a desigualdade social.

A leitura desta história em quadrinhos apresenta os anseios, dificuldades e perspectivas de um personagem bem próximo da realidade brasileira.

O dia-a-dia de jovens e adolescentes nas ruas da cidade, vivendo sob elevada pobreza e preconceito, sem que alguma mão lhes seja estendida no intuito de ajudar. Uma graphic novel sensível e que nos faz repensar nosso papel na sociedade.

Segundo André, Castanha do Pará foi a HQ mais singular que ele poderia escolher devido aos aspectos sociais.

André cursava Mestrado em Comunicação na Universidade Federal de Goiás (PPGCom/UFG) e queria estudar os quadrinhos pelo viés social e seus impactos em adolescentes em conflito com a Lei – mais especificamente, um grupo de menores que eram atendidos por uma casa de assistência social em Goiânia, Goiás. A história de Gidaldi Jr. é perfeita nesse sentido.

Publicação: Castanha do Pará foi publicado em 2018 pela Editora SESI-SP, primeiro quadrinho vencedor do Jabuti em sua 59a edição e possui 80 páginas coloridas.

*André Roberto “Brasuka” é colecionador e pesquisador de histórias em quadrinhos com foco em discussões socioculturais na cultura pop.

É designer gráfico e Mestre em Comunicação, Mídia e Cultura, ambos pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Trabalha no Comunica Estúdio Escola, da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC/UFG). Conheça mais do seu trabalho através do Instagram @comunicafic.


Tungstênio de Marcello Quintanilha – indicado por Kim Martins (Review Express)*

tungstenio
Indicada por Kim Martins, a história de 4 personagens se cruzam na HQ Tungstênio de Marcello Quintanilha – que aparece mais uma vez em nossa lista.

Essa é uma obra que precisa ser analisada desde o título: Tungstênio. O metal mais pesado que existe; muito resistente à altas temperaturas e bastante usado para aumentar a resistência de ligas metálicas. Matéria prima na indústria bélica.

E tendo isso em mente, já dá para imaginar o que vem pela frente. A história se passa em Salvador, Bahia. Temos 4 personagens principais nesse gibi: um ex-sargento, um traficante de meia-tigela, um policial casca-grossa e a esposa dele.

A trama começa com um crime ambiental: dois homens pescavam usando explosivos. Seu Ney, o ex-sargento e Caju, o traficante, são testemunhas oculares de tal crime.

Dotado de um senso de justiça típico de um militar e de informações privilegiadas sobre as tramoias de Caju, Seu Ney convence o traficante a entrar em contato com seu “conhecido” policial, para intervir na situação. E daí para a frente, é impossível parar de ler o quadrinho…

Segundo Kim Martins, a tensão e o suspense impulsionam a leitura que se torna irrefreável. A construção de personagens é realista e foge do bidimensional, o que traz uma bem-vinda imprevisibilidade para a obra.

Publicação: Tungstênio foi lançado em 2014 pela editora Veneta e possui 184 páginas de quadrinhos em preto e branco.

*Kim Martins é designer gráfico de formação e atuante no mercado editorial há mais de uma década. Amante de rock, cinema, quadrinhos e Corinthians (não necessariamente nessa ordem), criou um canal chamado Review Express, onde faz análises rápidas, dá dicas e discute sobre os gibis. Siga o trabalho de Kim em @review.express.


Trilogia Gatilho de Carlos Estefan e Pedro Mauro – indicado por Rodrigo “Barba” (Pelas Barbas de Odin)*

As melhores HQs brasileiras 25
O western brasileiro de Pedro Mauro e Carlos Estefan ganha espaço na lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Rodrigo Barba.

Gatilho é uma daquelas HQs que faz você mudar sua perspectiva sobre um gênero ou até mesmo sobre a produção nacional.

Para quem nunca leu uma obra de faroeste e não sabe muito bem o que vai encontrar, acaba por se deparar com um material impactante e envolvente, mostrando todo o poder que a inspiração dos western spaguetti pode causar ainda hoje.

Mostra também que as HQs nacionais podem sim passear e conversar com gêneros, lugares e influências diversas, com muita competência e qualidade.

O clima sombrio, o personagem misterioso e a sede de vingança são palpáveis. E vingança é o tema principal da HQ, que vai percorrer anos de uma espiral de morte e rancor, mostrando que todos que resolvem seguir por esse caminho nunca estarão livres do preço a se pagar por essa escolha.

Além do roteiro envolvente e dinâmico, temos também uma arte completamente espetacular, digna de um bom fumetto italiano. Uma obra atemporal, que vai agradar não só os amantes do “bang-bang”, mas todos os leitores que querem apreciar uma obra nacional que rivaliza com qualquer material vindo de fora.

A história do “forasteiro resolvedor de problemas e caçador de recompensas” ganha contornos mais profundos e explora a psique do personagem principal de maneira muito interessante.

Publicação: A Trilogia Gatilho foi criada originalmente como um material independente e em preto e branco, lançado em três capítulos a partir de 2017. Em 2021 a HQ ganhou uma edição capa dura contendo todos os capítulos originais e coloridos em 260 páginas, lançada pela editora Pipoca e Nanquim.

*Rodrigo “Barba” Nascimento é colecionador e youtuber. No seu canal fala de HQs de todos os tipos e nacionalidades. Acompanhe o Pelas Barbas de Odin no instagram @pelasbarbasdeodin e no Youtube.


Espetaculare Meneghetti de Kash Fyre – indicado por David Horeglad (HQ Ano 1)*

Espetaculare Meneghetti
Gino ajudava os amigos, mas também sabia aproveitar a boemia paulistana com seus furtos em Espetaculare Meneghetti, indicado por David Horeglad.

O enredo de Espetaculare Meneghetti conta com grandes furtos, fugas e perseguições, romance e tortura. Tudo isso não impediu o velho Meneghetti de viver até seus 97 anos na capital paulista.

O italiano, que veio ainda jovem para o Brasil, estampou as capas dos maiores jornais do país e era muito carismático, algo bem representado pela publicação de Kash Fyre. Um dos motivos era que, apesar de criminoso, ele seguia algumas regras, como não agir com violência e não roubar pobres, o que acabou gerando a fama de “o bom ladrão”.

A verdade é que ele não se corrigia e chegou a ser pego com mais de 90 anos tentando invadir uma casa na Vila Madalena. Kash Fyre acerta a mão com o roteiro, pois consegue respeitar o personagem sem parecer maniqueísta, sem transformá-lo em herói ou vilão.

Segundo David, a história mexeu com ele por dois motivos: o primeiro é a qualidade com que Kash contou a história de um curioso personagem real: Gino Meneghetti, o “Robin Hood brasileiro”; o segundo é que tudo aconteceu em lugares muito próximos, sobretudo no centro velho da cidade de São Paulo – quando não era velho.

Uma viagem no tempo por meio de desenhos espetaculares que nos mostram, por exemplo, o “Banespão” da Avenida São João; o antigo Vale do Anhangabaú; a Estação da Luz e Meneghetti fugindo pelos telhados paulistanos, ainda sem a predominância dos arranha-céus. E tudo muito bem detalhado.

Publicação: Espetaculare Meneghetti foi lançado em 2021 pela editora Guará e conta com 208 páginas em preto e branco.

*David Horeglad é jornalista, especializado em psicologia clínica e teoria psicanalítica pela PUC-SP, além de colecionador e leitor de quadrinhos. Criou a página HQ Ano 1 em 2020 e tem diversas matérias publicadas no site Ultimato do Bacon. Acompanhe o trabalho de David no Instagram @hq_ano1.


Lunch Time! de Nilton Simas – indicado por Gustavo Sleman (Band Geek)*

As melhores HQs brasileiras 26
Lunch Time! de Nilton Simas representa os mangás brasileiros pela indicação de Gustavo Sleman

O que acontece quando você junta em um restaurante uma vampira, um lobisomem, uma múmia, um caçador, uma sereia, um anjo, uma esfinge e um pescador?

Confusão no estilo Sessão da Tarde, com certeza! E não, isso não é roteiro de uma piada do Ary Toledo.

Isso é LunchTime!, um mangá nacional que traz muito humor, aventura e que apresenta aos leitores a jornada dos personagens, que devem lidar com suas vidas nada normais enquanto “enfrentam” os clientes irritados e a concorrência desleal no mundo da gastronomia.

Sleman diz que nunca foi muito fã de mangás, mas sempre frequentou o Anime Family (evento carioca), já que lá podia encontrar amigos e comprar as mais diversas quinquilharias nerds. Foi em uma das edições do evento que ele conheceu LunchTime!, obra criada por Nilton Simas.

O mangá fisgou rapidamente Sleman, principalmente por conta da premissa pra lá de inusitada.

Publicação: Lunch Time! estreou nas páginas da revista Mangá K da editora Kimera. Foi lançado em 8 edições independentes a partir de 2010 com páginas em preto e branco. A aventura completa foi compilada em 2020 em um encadernado com mais de 300 páginas lançado pela Kimera Quadrinhos.

*Gustavo Sleman é carioca e colecionador de quadrinhos e discos. Fã do Homem-Borracha e do Superman Elétrico, Gustavo não é o Homem de Aço, mas é jornalista como Clark Kent. Sleman toca a coluna BandGeek na BandNews FM e já escreveu para outros sites especializados em cultura geek, como Torre Titã e Terra Zero.


O Inferno é Aqui de André Schuck – indicado por Franz Lima*

As melhores HQs brasileiras 27
O Inferno é Aqui de André Schuck é uma fotonovela assustadora que chega na nossa lista de melhores HQs brasileiras pela indicação de Franz Lima.

Embora esta indicação não se enquadre estritamente na linguagem de histórias em quadrinhos, ela apresenta uma experiência estética interessante e que dialoga de maneira bastante próxima a trabalhos como os de Dave McKean e suas colagens digitais em diversas HQs e suas capas.

A escolha de Franz Lima traz uma bizarra história de amor que nasce entre dois serial killers. A história se desenvolve com os dois promovendo o sequestro de uma garota que eles acreditam ser a reencarnação de sua filha.

Recheada de momentos tensos e perturbadores, a trama tem um ritmo intenso que mostra o casal buscando o amor da menina sequestrada enquanto tentam fugir da polícia e enfrentar sua própria loucura.

Publicação: A HQ/fotonovela O Inferno é Aqui foi publicada originalmente em 2019 pela Editora Coerência e possui 175 páginas.

*Franz Lima é escritor e publica frequentemente colunas e resenhas sobre filmes, livros e HQs em seu blog http://apogeudoabismo.blogspot.com/. Seus contos autorais também podem ser encontrados ali.


Melhores HQs Brasileiras – Vídeos

Se você curtiu a nossa lista, não deixe de conferir também as mesas em vídeo, lá no Sobrecapa:

 

 

 

 

 

 


Melhores HQs Brasileiras – Podcast

Você também pode conferir em áudio, no Costelinha:


Melhores HQs Brasileiras – Revista Digital

Você também pode baixar e conferir o conteúdo completo, em formato de revista digital (e-book), acessando este link aqui.


Curtiu a nossa lista?

Faltou alguma história que seja uma das melhores HQs brasileiras para você?

Comente nas redes sociais!


Créditos:

Texto: Lucas Souza e Alexandre Baptista
Imagens: Reprodução
Edição: Alexandre Baptista

Scott Pilgrim Contra o Mundo - Baú de HQs 5

Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!


Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras

Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras

Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras

Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras Melhores HQs brasileiras

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Notícias Relacionadas: