Ultimato do Bacon

Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio por Gerry Duggan e Matteo Scalera – O Ultimato

Em 29 de Nov de 2023 3 minutos de leitura

Conheça a detalhes inéditos da vida de Victor Fries em Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio

A essa altura você já deve conhecer a série da DC que evidencia momentos determinantes dos supervilões de Gotham City em one shots. O quarto volume, Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio, foi publicado pela Panini em julho, 68 páginas, e lançado originalmente como Batman: One Bad Day – Mr. Freeze em janeiro de 2023.

O título da história é O Inverno Mais Escuro. A equipe criativa tem o norte-americano Gerry Duggan no roteiro, o italiano Matteo Scalera na arte e o também norte-americano Dave Stewart nas cores.

Qual a tramaBatman: Um Dia Ruim – Senhor Frio por Gerry Duggan e Matteo Scalera

A catástrofe de Victor Fries, o Senhor Frio, é conhecida. Um cientista especializado em criogenia que descobre em sua esposa, Nora, uma doença terminal. Ele utiliza ilegalmente os laboratórios de uma grande empresa para criar a forma de manter Norma em estado criônico. Ao ser descoberto, acaba sendo jogado nos produtos químicos, que transformam seu organismo e fazem com que ele precise de temperaturas abaixo de zero para sobreviver.

Essa origem é celeremente reapresentada em Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio. Mas é na discussão sobre a possibilidade de regeneração do personagem que adentramos na mente de Victor Fries.

No período natalino, com Batman e Robin – Dick Grayson – no início de suas carreiras, Senhor Frio e Gélida tentam roubar um carro-forte. O Homem-Morcego, influenciado pelo esperançoso sidekick, propõe a Fries que trabalhe nos laboratórios da LexCorp com todos os recursos tecnológicos imagináveis para estudar uma maneira segura de tirar Norma do congelamento e tratá-la.

Parece muito simples. O que poderia ser melhor para Victor Fries? A não ser que a recuperação de Norma não fosse tão interessante para ele. E é aí que, sem darmos mais spoilers, Gerry Duggan acerta em acrescentar novas nuances ao personagem. Presumivelmente, as coisas não sairão tão boas quanto poderiam.

Paralelamente, desde o início do quadrinho, vemos flashbacks do relacionamento entre Victor e Norma. Pareciam se gostar, porém, estavam em vibes totalmente diferentes. Ele, focado no trabalho, sem sair de casa e sem dar a atenção necessária ao relacionamento. Ela, embora respeitando a vontade de Fries, não deixa de sair com os amigos para se divertir. Não é difícil imaginar que isso pode “dar ruim” se o marido for inseguro e ciumento. Passado e presente nos ajudam a montar o quebra-cabeça psicológico do enredo.

Vale a pena ler?

É legal pensarmos se eventos que “viram a chavinha” transformaram os vilões em vilões – queda em produtos químicos para Fries e Coringa, ácido no rosto de Harvey Dent, etc. – ou apenas permitiram que as feras antes escondidas saíssem da jaula.

A mente humana é complexa e diversa. É sempre legal quando roteiristas exploram a subjetividade de cada personagem e como os eventos traumáticos os atravessaram.

Gerry Duggan trabalha com essas possibilidades em Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio. Semelhante ao volume do Duas-Caras, o enredo é simples e objetivo. Apesar disso, o manejamento do protagonista – Sr. Frio – é ótimo, explorando bem o título da série sem ser tão óbvio.

O “dia ruim” é o corrente da obra ou o que o vilão descobre a doença da esposa? Ou o que cai nos produtos químicos? Para quem o dia é ruim? E destacam-se as perguntas: Victor Fries já foi bom? Ele poderá agir generosamente? A discussão psicológica da HQ chega a ser interposta pela própria dupla de super-heróis em suas conversas.

Concluindo, Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio não é a melhor ou mais marcante história do Batman com o vilão e nem parece ser a proposta. Em poucas páginas, o roteirista consegue apresentar o Sr. Frio a novos leitores e trazer um episódio atrativo aos antigos fãs – equação nem sempre tão fácil de se conseguir –.

Em resumo, o roteiro é competente e o final da trama, além de encaixado, dá um arremate perfeito e complexo para analisarmos a possível bondade do Senhor Frio. Sem entrar em detalhes, ainda fugindo de spoilers, temos uma conclusão que acaba com qualquer impressão de maniqueísmo que o decorrer da leitura ou o tema podem sugerir.

Sobre a arte: Os desenhos do italiano Matteo Scalera são eficientes. É possível perceber influências de quadrinistas europeus e do mainstream norte-americano. Quanto as cores de Dave Stewart, não há muito o que falar. Não à toa são recorrentes nas páginas de Marvel e DC. A paleta acentua o clima notívago e frio da história, mas os tons quentes aparecem nos trechos exatos em que são necessárias, como nos flashbacks de Nora ou no vermelho e amarelo do uniforme de Robin.

Gostou do texto? Leia outras matérias do David Horeglad (HQ Ano 1) para o UB!

UM DIA RUIM: DUAS-CARAS (2023) – O ULTIMATO

HARLEEN (2022) – O ULTIMATO

O CORINGA APRESENTA: QUEBRA-CABEÇA (2022) – O ULTIMATO

Ultimato do Bacon

Avaliação: Ótimo!

Compre Batman: Um Dia Ruim – Senhor Frio por Gerry Duggan e Matteo Scalera Clicando na Capa Abaixo:


Créditos:
Texto: David Horeglad – @hq_ano1
Imagens: Reprodução
Edição: Diego Brisse
Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!

Ultimato do Bacon YouTube

 


 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Ultimato do Bacon Editora

Ultimato do Bacon Editora

18 de Jan de 2021

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade