Ultimato do Bacon

Wilson de Daniel Clowes (2010) – O Ultimato

Em 8 de Nov de 2022 4 minutos de leitura
Wilson de Daniel Clowes (2011) – O Ultimato

Wilson de Daniel Clowes (2010) foi o primeiro quadrinho de Daniel Clowes a ser lançado diretamente como novela gráfica, publicado pela editora canadense Drawn & Quarterly. Outros sucessos do autor, incluindo Como Uma Luva de Veludo Moldada em Ferro (1993) e Ghost World (1997), saíram primeiro serializados na revista Eightball.

Curiosamente, Wilson foi produzido por meio de tiras de uma página que funcionam individualmente, sempre com desfecho irônico ou de humor. A arte de Clowes muda de tira para tira. Embora sempre reconhecível, às vezes bem cartunescas ou caricatas, outras mais realistas. No todo, temos a história de Wilson, senhor com 40 anos passados de comportamento misantropo e pitoresco.

No Brasil, o quadrinho foi publicado pela Quadrinhos na Cia. – selo da Cia. Das Letras – em 2012, 80 páginas coloridas e capa cartonada. Infelizmente, não é dos gibis mais fáceis de encontrar, mas é possível comprá-lo em sebos e semelhantes.

Qual a trama de Wilson de Daniel Clowes

A quarta capa da edição brasileira define Wilson como “adorável malandro, solteiro solitário, pai e marido dedicado, idiota, sociopata, fanfarrão desiludido e flor delicada.” Sim, ele tem de tudo isso.

No entanto, creio que uma forma melhor de o resumir seria como sujeito de meia idade que fala o que bem quer sem se importar com as consequências ou com quem está ouvindo. Sincericida, direto e muitas vezes babaca. Justamente por isso acaba sendo cômico.

Wilson de Daniel Clowes (2013) – O Ultimato

As tiras iniciais são mais para nos apresentar essas características do protagonista do que para inserir-nos em um enredo. Acompanhamos suas reflexões existencialistas e conclusões desagradáveis, além do contato com outras pessoas. Isso é feito inclusive com aquelas que não querem socializar, como um desconhecido trabalhando com o notebook na lanchonete ou um qualquer no ônibus.

O cotidiano de Wilson inclui passear com sua cachorrinha Pepper – único ser vivo que recebe do protagonista amor incondicional –, caminhar, ler e ir a cafés em Oakland, Califórnia, onde mora. Ele nunca trabalhou e, aparentemente, vive de renda.

Logo descobre que o pai está em estado grave de saúde. Precisa viajar para Chicago e visitá-lo no hospital. É lá que, sozinho, Wilson começa a buscar pela ex-mulher. Por um bizarro delírio, ele acredita que a personagem, Pippi, após o divórcio, passou a viver em um mundo de surras, drogas e prostituição – e não pensa duas vezes em falar para qualquer um –. É com uma garota de programa que ele se lembra que a ex estava grávida quando se separaram – sente o personagem! –.

Após mais de 15 anos, Wilson vai atrás de Pippi e da “criança”. Ele reencontra a mulher, que também parece ser uma figura igual e estranhamente polêmica, e a convence a encontrar a filha.

A sequência da história conta como foi esse reencontro, além dos desdobramentos que ele causará, incluindo prisão e sequestro, de forma que vamos acompanhando o envelhecer do protagonista em uma passagem de anos.

Ironicamente, quando Wilson se viu solitário, a busca por um vínculo afetivo que sempre negou é também o que resultará nas piores consequência para ele. Nos termos da editora brasileira, Wilson de Daniel Clowes é “parte saga familiar e parte tragicomédia de costumes.”

Vale a pena ler?

É incrível como Daniel Clowes consegue tornar um tipo de personagem que raramente aparece como protagonista de qualquer coisa blockbuster – um cara medíocre de 40 anos passados – em algo que nos prende a leitura e diverte. De fato, é uma criatividade que sempre nos leva por caminhos inusitados.

Wilson de Daniel Clowes (2012) – O Ultimato

Se tem algo que passa perto desse tipo de produção, talvez, sejam nomes como Woody Allen e Philip Roth. Me lembrei do cômico e insólito personagem de Descontruindo Harry (1997). Se você já assistiu, provavelmente perceberá em que momento no decorrer da leitura.

A evidência do protagonista como alter-ego do autor – mesmo quando não propositalmente –, personagens questionadores e em busca de autocompreensão, bem como a crítica irônica a determinados recortes da sociedade norte-americana, unem Clowes a nomes como os citados.

E Clowes consegue nos gerar sentimentos ambíguos. Chega a ser assombroso quando nos identificamos com Wilson. Acontece, por exemplo, quando ele solta alguma bomba, muitas vezes verdadeira – como no caso da hipocrisia de quem passa direto por um mendigo morrendo e acha um horror cachorros abandonados –. Fale a verdade, você nunca se segurou antes de dizer algo? Aí, Wilson parece no lugar ideal. O que você pensa, ele fala.

Nos discursos, em determinados momentos, Wilson até soa progressista, com críticas ferozes as elites ou ao uso de recursos naturais em demasia. O problema passa a existir quando ele critica tudo e todos com extrema e hipócrita acidez, como se fosse o senhor da verdade, nas horas mais inoportunas. Não é semelhante ao que vemos nos comentários da internet por aí afora?

Wilson gera mistura de empatia com sentimento de “só podia dar nisso”, “bem feito”. A passagem irregular do tempo e a variedade estilística ajudam a simbolizar questões psíquicas.

De acordo com Clowes em entrevista à Folha de S. Paulo, a ideia era representar a forma intermitente de nossas memórias e as mudanças de humor de um dia para outro. Tudo isso torna Wilson uma HQ muito interessante e, sim, humana.

Gostou do texto? Leia outros Ultimatos do David Horeglad (HQ Ano 1) para o UB!

PACIÊNCIA (2016) – O ULTIMATO

UM OCEANO DE AMOR (2022) – O ULTIMATO

SONHONAUTA (2022) – O ULTIMATO

Ultimato do Bacon

Avaliação: Ótimo!

Compre Wilson de Daniel Clowes clicando na capa abaixo! .

Wilson de Daniel Clowes (2010) – O Ultimato


Créditos:
Texto:David Horeglad – @hq_ano1
Imagens: Reprodução
Edição: Diego Brisse 
Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!


Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Shazam de Tim Sheridan e Clayton Henry (1)

Shazam de Tim Sheridan e Clayton Henry – O Ultimato

2 de Dez de 2022

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade