Ultimato do Bacon

Coltrane (2016) – O Ultimato

Em 19 de Ago de 2021 5 minutos de leitura
Coltrane (2016) – O Ultimato

Conheça, em quadrinhos, a vida do saxofonista mais lembrado da história do jazz: Coltrane

Existem muitas formas de escrever – ou desenhar – uma biografia. Quando o personagem tem diversos feitos ou uma vida longa, é comum o autor selecionar um recorte. Não é isso que o italiano Paolo Parisi faz em Coltrane (2009), publicado no Brasil em 2016 pela editora Veneta.

A HQ relativamente curta – 128 páginas de texto rápido e fluido – se estende por toda a vida de John Coltrane (1926-1967). Como o jazz e o próprio protagonista, a história não é apresentada de maneira fácil, cronológica.

Parisi vai pincelando fases da vida do saxofonista que têm sequência no decorrer dos quatro capítulos. Cada um com o nome de uma das faixas de A Love Supreme (1965). A ideia do autor é que a audição e a leitura se conectem.

Caso queira ir entrando no clima, segue o álbum no Spotify.

Já li alguns quadrinhos cujo autor criou playlists para acompanhar a leitura. Mas uma HQ feita para se encaixar em um álbum clássico foi a primeira vez. E preciso dizer: funciona! A experiência é bastante agradável.

Índice

Qual o enredo de Coltrane?

“No princípio era o som.” O quadrinho começa com esta frase e a imagem de um gongo. Coltrane treinava horas e horas dia e noite. Então não há muito espaço para os dramas da vida dele. Estão lá, mas de certa forma encobertos pela música.

Vemos os dois casamentos do saxofonista, a filha adotiva, o vício em heroína, o racismo e a doença que o levou embora. O fato de nada disso vir distante do jazz diz muito sobre o personagem.

No primeiro capítulo, “Acknowledgement”, conhecemos o primeiro contato de Coltrane com Dizzy Gillespie na Filadélfia, em 1949, apresentados por Jimmy Heath. De lá, pulamos para 1960, onde McCoy Tyner lê para o sax tenor uma matéria com críticas pesadas às suas mudanças musicais. “Em seus solos se entrevê os vestígios da compulsão neurótica e o desprezo pelo público.”

Coltrane (2016) – O Ultimato

Mesmo que em poucos traços, a ambientação do jazz é muito bem desenhada por Parisi

E assim vamos passando por momentos distintos, como Miles Davis o presenteando com o Soprano Selmer que comprou de um traficante em Paris, o Newport Jazz Festival de 1958 – quando fazia parte do quinteto responsável por gravar Kind Of Blue (1959) – e sua infância pobre na Carolina do Norte, em 1936.

Lá descobrimos que a música vinha de berço. Seu avô era um pastor metodista e sua mãe tocava órgão na igreja. De acordo com a narrativa, sempre havia música no rádio e instrumentos em casa.

Foi depois da morte dos avós e do pai, na mesma época, que Coltrane não largou mais o instrumento. Era um refúgio para a solidão e a tristeza. E talvez dessa fuga pela música percebamos o motivo dela se sobressair em relação aos dramas da vida em toda a HQ.

Coltrane e A Love Supreme

A obra de John Coltrane que guia a biografia em quadrinhos é A Love Supreme. O álbum, lançado em 1965 pela Impulse! Records, foi gravado em uma sessão no dia 9 de dezembro de 1964, no Van Gelder Studio em Englewood Cliffs, Nova Jersey.

Da mesma forma que Parisi, começa com o badalar de um gongo. Além do sax tenor, estavam McCoy Tyner no piano, Jimmy Garrison no baixo e Elvin Jones na bateria.

Para as composições, Coltrane trouxe influências das religiões africanas e asiáticas e, obviamente, seus ritmos e notas. A sessão foi dividida em quatro faixas: “Acknowledgement”, “Resolution”, “Pursuance” e “Psalm”, em pouco mais de 30 minutos.

Elas podem ser interpretadas como um caminhar espiritual. O reconhecimento, a resolução, a perseguição e, por fim, o agradecimento pelo som e pela vida em forma de salmo.

E o salmo, criado por Coltrane, é lido na quarta faixa pelo próprio saxofonista, mas apenas com seu instrumento. Uma recitação sem palavras. Apesar de toda essa influência, Coltrane não se distancia do jazz – mesmo que aqui falemos dos difíceis jazz modal e free jazz –.

A escolha do álbum para a HQ não poderia ser mais apropriada. Dá para pensar que toda a jornada do saxofonista, toda essa obsessão pela música e pelo conhecimento – que incluía as religiões, a física, a astronomia e a matemática – serviriam para o arremate de A Love Supreme.

Coltrane (2016) – O Ultimato

Grandes momentos do saxofonista, como a gravação de “A Love Supreme”, são retratados

Muitos o consideram sua obra prima. Coltrane faleceria apenas três anos depois, mas na época da gravação já havia superado o vício em álcool e heroína.

E aqui vai uma dica: se você quer começar a ouvir jazz, talvez alguns álbuns de cool jazz, bebop e hard bop sejam mais palatáveis para entrar nesse mundo. Do próprio Coltrane, Blue Traine (1958) – que inspirou a capa da HQ –, Giant Steps (1960) e My Favorite Things (1961) são ótimas pedidas. Ou ainda Kind Of Blue (1959) do Miles Davies com Coltrane no sax tenor.

Vale a pena ler?

É uma leitura para um público segmentado. Que curte jazz ou, no mínimo, tem vontade de explorar esse universo.

Mesmo assim, pode valer a pena conhecer a história de um homem que era devotado à música. Que conseguiu unir a razão matemática dos complexos compassos do jazz a um feeling que vinha de sua crença em um Deus transcendental, que sobrepunha religiões. Coltrane, aliás, dizia acreditar em todas.

O trabalho de pesquisa de Parisi, com uma considerável bibliografia e consulta em entrevistas, faz qualquer fã de jazz se animar com a publicação. Segundo o autor, a principal referência foi o livro John Coltrane: His Life and Music (2000), de Lewis Porter.

Com relação à narrativa, vemos um apanhado de pequenos recortes da vida de Coltrane irem se transformando em um panorama muito interessante de sua história. Surpreendentemente, ao fim da leitura, parece que o quebra-cabeça se fecha.

Coltrane (2016) – O Ultimato

Dentre as amizades de Coltrane, a com Miles Davis é uma das mais impactantes

Sobre a arte, é muito legal perceber como, em poucas linhas, Parisi consegue identificar personalidades do meio, incluindo Miles, Elvin Jones e Eric Dolphy.

A única passagem que senti falta foi a amizade de Coltrane com o internacionalmente famoso músico indiano Ravi Shankar, que inclusive foi determinante para o jazz modal e para a criação de A Love Supreme. Porém, não há como saber se o acréscimo quebraria a narrativa.

Ao menos, a influência do indiano foi desenhada em um dos momentos mais bonitos do quadrinho: John, o filho Ravi – uma homenagem ao mestre – e a esposa Alice, grávida de Oran, curtem a família no chão da sala, em Long Island, com um disco de improvisações de Shankar ao lado.

Gostou do texto? Leia outras matérias do David Horeglad (HQ Ano 1) para o UB!

MAUS: A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE – O ULTIMATO

MJADRA (2020) – O ULTIMATO

FANTASMA: OS PIRATAS SINGH (1936) – BAÚ DE HQS

Ultimato do Bacon

Avaliação: Ótimo!

Compre Coltrane clicando na capa abaixo! 

Coltrane (2016) – O Ultimato

Quer debater sobre quadrinhos, livros, filmes e muito mais? Venha conhecer nosso grupo no Whatsapp clicando aqui!!!


Créditos:
Texto: David Horeglad – @hq_ano1
Imagens: Reprodução
Edição: Diego Brisse
Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!


Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade