Em 1989 chegava às bancas americanas o título L.E.G.I.O.N. (batizado no Brasil de L.E.G.I.Ã.O. ´91). O título trouxe J.M. Dematteis e Alan Grant no comando dos roteiros e argumentos.

A história era uma consequência direta da saga Invasão! (Invasion!, 1988-1989), que mostrou outros planetas tentando destruir a Terra sob o comando dos maléficos Dominadores.

A saga mostrava o coluano Vril Dox Jr. se juntando com ex-prisioneiros da aliança da Invasão após eles conseguirem se libertar no fim da guerra –mas apesar do começo muito relacionado aos eventos da mega saga, a L.E.G.I.Ã.O. ´91 pode ser lida sem conhecimento prévio.

L.E.G.I.Ã.O.´91 – que trocava de nome toda vez que o ano mudava – L.E.G.I.Ã.O.´92, L.E.G.I.Ã.O.´93 e L.E.G.I.Ã.O.´94 – teve nos EUA 70 números.

Aqui no Brasil tivemos apenas 39 desses números publicados na extinta revista da editora Abril, DC 2000: a série começa a ser publicada no número 15 e vai até o número 57 dos 59 números da publicação.

Infelizmente o final da saga nunca chegou no país, mas a Abril foi respeitosa com seus leitores e publicou até o número no qual todas as principais tramas da HQ se resolvem.

 

Furtiva e o Durlaniano são dois interessantes personagens da L.E.G.I.Ã.O. de Vril Dox.

Furtiva e o Durlaniano são dois interessantes personagens da L.E.G.I.Ã.O. de Vril Dox.

 

Toda história de origem da L.E.G.I.Ã.O. está ligada ao passado de Vril Dox Jr. O personagem é filho/clone do temido vilão Brainiac – que nessa época havia sido dado como morto tendo sido assassinado por aqueles que seriam os verdadeiros mestres de Colu – os computadores tiranos.

Eles, secretamente, dominavam toda a cidade e a sociedade, fazendo da população sua refém. Brainiac servia aos computadores tiranos e foram eles que permitiram que o vilão tivesse um filho/clone, sendo eliminado por medo de seu potencial. A primeira missão da equipe é, inclusive, libertar o planeta de sua escravidão.

É importante salientar que Vril Dox é um manipulador e mostra isso durante toda a história da L.E.G.I.Ã.O.. A primeira missão é feita sem que os integrantes soubessem o que estava acontecendo e eles são quase que obrigados a lutar ao lado de Dox para não morrerem.

Após essa missão é que o bem intencionado personagem decide criar uma força policial para proteger a galáxia – a diferença é que essa é paga, ao contrário dos realmente benevolentes Lanternas Verdes.

Garryn Bek, Lyrissa Mallor, Strata, Furtiva e o Durlaniano são os integrantes da primeira missão e membros fundadores da equipe. Apesar de todos serem personagens muito interessantes, uma das estrelas da equipe ainda estava para chegar…

 

Lobo é um dos integrantes da força policial L.E.G.I.Ã.O. - formada por Vril Dox

Lobo é um dos integrantes da força policial L.E.G.I.Ã.O. – formada por Vril Dox

 

A sensação de que a L.E.G.I.Ã.O. está completa só vem depois que o perigoso e lunático Lobo decide participar da iniciativa. Na verdade, ele perde uma briga no mano a mano com Dox (que havia acabado de ser clonado e estava muito mais forte do que o normal) e passa a integrar o time por conta de sua “honra”.

A violência desmedida do personagem é constante e seu amor pelos seus golfinhos espaciais rende momentos hilários (esse apego aos peixinhos é um dos motivos que faz com que o personagem vá atrás da equipe).

Um dos vilões que passam pelas páginas da HQ, Maximillian G’odd, diz que existem três tipos de pessoas: Os líderes, os seguidores e Lobo (querendo dizer que o personagem é imprevisível e completamente louco) .

O equilíbrio da equipe vinha de Lyrissa Mallor. A personagem era a segunda em comando e era uma das responsáveis por fazer com que as falcatruas e planos pouco ortodoxos de Dox não fossem longe demais. Ao lado do Durlaniano e de Lobo, Lyrissa era uma das mais empolgantes heroínas e sua disposição em ajudar a Galáxia era sempre uma bússola moral para a equipe.

Se Lobo é um personagem que dispensa apresentações para a maioria dos fanáticos pela DC Comics, não podemos dizer o mesmo do Durlaniano! Um dos principais atrativos das histórias da L.E.G.I.Ã.O. eram os plot twists e a forma como os personagens – e algumas tramas – pareciam se alinhar com a Legião dos Super-Heróis (isso, aquela do futuro!).

Em uma das edições mais brilhantes da série, descobrimos que o Durlaniano, que simplesmente desaparece, foi parar no futuro. O personagem, que sofre preconceito por ser de Durla – planeta no qual os habitantes são transmorfos (confira mais sobre as raças alienígenas da DC aqui e aqui), assume a identidade de R.J. Brande e trabalha durante séculos para acumular riquezas.

Com sua identidade criada – e com dinheiro no bolso – o personagem decide fundar e financiar a Legião dos Super-Heróis em homenagem a antiga equipe, a L.E.G.I.Ã.O., da qual foi membro fundador. A história tem uma carga emocional muito bacana e a ligação entre as duas equipes fica muito evidente!

 

A L.E.G.I.Ã.O. de Vril Dox enfrenta o Superman em uma das únicas aventuras que se passa na Terra

A L.E.G.I.Ã.O. de Vril Dox enfrenta o Superman em uma das únicas aventuras que se passa na Terra

 

Mas afinal, por que ler as HQs da L.E.G.I.Ã.O.?

 

As aventuras da equipe de Vril Dox apresentam sempre um ritmo intenso e são recheadas de naves espaciais, aparelhos e armas cientificamente avançadas e um humor negro repleto de violência (nem sempre com sentido).

Não quero dizer com isso que a revista era “sem noção” ou “ruim”. Era uma espécie de “aventuras do Lobo para (quase) todas as idades”. Em boa parte dos momentos era difícil saber se estávamos mesmo torcendo para Vril Dox e sua equipe. Os diferentes personagens que circulam pela HQ também acabam ajudando a trazer sempre um fator novidade – a L.E.G.I.Ã.O. cresce a ponto de ter uma gigantesca base e diversos homens contratados.

O confronto com o Superman é uma das histórias que ilustra bem a obsessão de Dox por se vingar do seu pai e por fazer as coisas do seu jeito. Ele vem a Terra para coletar informações sobre o paradeiro do personagem – que seguia desaparecido – e acaba entrando em combate com o Homem de Aço por ser confundido com seu progenitor.

A história acaba nos levando até Colu onde Brainiac escapa. O personagem é simplesmente obcecado por essa vingança. A libertação de seu planeta, aliado a essa busca, mostram duas facetas bem distintas do personagem que é egoísta e, ao mesmo tempo, tenta fazer o certo.

 

Strata e Garv em ação nas páginas de L.E.G.I.Ã.O. da DC Comics

Strata e Garv em ação nas páginas de L.E.G.I.Ã.O. da DC Comics

 

L.E.G.I.Ã.O. é uma daquelas histórias de equipe onde tudo pode acontecer e temos a introdução de novos personagens a todo momento! Na série aprendemos a temer pelo destino dos heróis que gostamos – porque eles morrem em algum ponto – e até descobrimos como gostar dessa força policial meio louca que mais parece um conjunto de mercenários querendo fazer a coisa certa.

Dox é um personagem que gera emoções diversas com seu estilo canalha e manipulador – ele sabe exatamente como fazer com que todos ao redor façam o que ele deseja. A violência, uma das constantes da HQ, também é muito bem-vinda porque ajuda a dar o tom satírico que J.M. DeMatteis e Alan Grant pareciam querer para HQ.

Uma leitura interessante para os que gostam de histórias espaciais recheadas de personagens desconhecidos e ficção científica!

 


Créditos:

Texto: Lucas Souza
Imagens: Reprodução
Edição: Alexandre Baptista

 

Fique ligado no Ultimato do Bacon para mais conteúdos sobre Quadrinhos, Livros, TV, Streaming, Cinema, Música e muito mais!

 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!