Ultimato do Bacon

A estreia de Jonah Hex por John Albano – Baú de HQs

Em 21 de Jul de 2020 4 minutos de leitura
A estreia de Jonah Hex por John Albano Wall

A estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga em suas primeiras histórias é um presente para os fãs do pistoleiro deformado mais assustador do velho oeste.

O personagem da DC Comics, que chegou inclusive a aparecer no seriado Legends of Tomorrow, foi criado em 1972 e se tornou um sucesso instantâneo – tanto que o antigo título All Star Western onde Hex apareceu pela primeira vez na décima edição mudou de nome no décimo terceiro número e passou a se chamar Weird Western Tales para fazer referência ao personagem.

As primeiras histórias com a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga foram publicadas no Brasil em duas oportunidades. A primeira ainda pela Ebal na antiga publicação Reis do Faroeste em Cores, que teve em seu oitavo número de 1973 a estreia do pistoleiro da DC Comics.

Se essa publicação te parece inacessível, por questões de preço e data de publicação, a sua outra opção é a incrível coletânea Jonah Hex Showcase publicada pela editora Opera Graphica em 2006. A coletânea traz as 22 primeiras histórias de Hex – a grande maioria assinada pela dupla criadora John Albano e Tony DeZuñiga.

 

As primeiras histórias na estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga foram publicadas em preto e branco na coletânea Jonah Hex Showcase

.

Por que a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga e suas primeiras histórias são relevantes?

Sejamos honestos: dificilmente as primeiras histórias de um personagem novo são realmente boas. O autor ainda está formando o personagem, entendendo o ritmo da trama, colhendo feedbacks e se aperfeiçoando. É normal que vejamos as primeiras histórias de um personagem mais como uma curiosidade do que como uma grande obra.

Mas não é isso que acontece com a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga. Me arrisco a dizer que são esses primórdios do personagem que trazem as melhores histórias (perdendo talvez para a fase de Jimmy Palmioti em meados dos anos 2000). 

O pistoleiro assustador já estava formado desde as suas primeiras histórias – e temos a sensação de que boa parte de seu passado também. Apesar de a cicatriz de Hex, marca registrada, não ser explicada até a história A Marca do Demônio da publicação americana Jonah Hex #7 – #8  de 1978 – no Brasil em Os Reis do Faroeste #16 -, a história do uso do casaco confederado é muito bem explorada nas 22 primeiras edições.

O bacana é vermos que o pistoleiro já é o solitário caçador de recompensas desde a primeira edição e é mais interessante ainda percebermos que a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga não tem medo de abordar temas como ódio aos índios, rancheiros cruéis, empresas ferroviárias desonestas, vingança e até (pasmem) o voto feminino. Vale lembrar que 22 primeiras as histórias foram publicadas entre 1972 e 1976.

.

O rosto do pistoleiro vira sua marca registrada já na estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga

.

As primeiras histórias e a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga vão além de um apanhado de contos que mostra a moral e a versatilidade do pistoleiro. Já nessas 22 primeiras edições temos um mistério: Um homem com uma bengala chamativa (só a bengala aparece, nunca o homem) quer Hex morto a todo custo.

Essa trama vai se desenvolvendo em plano de fundo até ganhar os holofotes e ajudar a explicar a roupa de guerra sulista do caçador de recompensas. Vale ressaltar que algumas edições (dessas 22 iniciais) tiveram roteiro de Denny O´Neil, Michel Fleisher e Robert Kanigher.

A ansiedade de conhecer o trágico passado de Hex somado a fluidez das tramas faz com que a leitura seja extremamente prazerosa e rápida. Nos pegamos virando a página ansiosos pelos desfechos onde Hex, normalmente, dava ingestão de chumbo aos “homens malvados”.

O bacana é que a trama deixa espaço (e muito) para tristezas e injustiças – apesar dos esforços de Jonah. O destino da viúva que tenta atravessar o pântano para desviar de um pedágio abusivo na estrada em Jogo Aberto com o Homem Pêndulo (Weird Western Tales #25) é um ótimo exemplo de como as coisas nem sempre terminavam bem para as pessoas honestas. 

.

A fama de durão de Hex faz com que os seus opositores sejam mais cuidadosos já nas primeiras histórias e estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga

.

Histórias bem pensadas com uma ambientação realista e tramas simples (mas bem pensadas) são exatamente o que você pode esperar das HQs com as primeiras histórias e a estreia de Jonah Hex por John Albano e Tony DeZuñiga.

É uma ótima oportunidade de ver que o personagem, quando bem trabalhado, mantém sempre a mesma essência pé no chão – esqueça o trágico filme de 2010! Para os afortunados que conseguirem a HQ da Ebal Reis do Faroeste ou Jonah Hex Showcase da Opera Graphica, a leitura da fase vai valer muito a pena e te deixar com a sensação de que o personagem merecia um tratamento melhor no Brasil!

Quem sabe um dia…

Quer conferir outras obras de Faroeste? Confira nossas matérias sobre as HQ´s Brasileiras Trilogia Gatilho e The Few And The Cursed e não deixe de ver nossa opinião sobre a coleção Tex da Salvat!

 


Créditos:
Texto: Lucas Souza
Edição: Alexandre Baptista
Imagens: Reprodução

Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!


.

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Indicando Lançamentos de Hqs Nacionais Na CCXP22

28 de Nov de 2022

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade