Ultimato do Bacon

Sin City: O Assassino Amarelo de Frank Miller (1996) – Baú de HQs

Em 12 de Dez de 2023 4 minutos de leitura

Conheça a violenta minissérie que serviu de base para o filme de Robert Rodriguez e Quentin Tarantino em Sin City: O Assassino Amarelo de Frank Miller

O Assassino Amarelo (1996) é tido como o melhor episódio de Sin City entre os críticos e leitores. Tendo em vista que o nível da produção de Frank Miller na série é altíssimo, significa muita coisa.

Mas vamos aos dados. Sin City: O Homem Amarelo foi publicado originalmente pela Dark Horse Comics em 1996, com o título Sin City: That Yellow Bastard (1996) de #1 a #6. As versões compiladas começaram a sair no ano seguinte, 1997, inclusive com edição em capa dura pela Titan Books.

No Brasil, a editora Pandora Books publicou a minissérie em 2003, seguida pela Devir em 2005, 2014 e, agora, na republicação completa de Sin City com capa dura em 2023. Todas com mais de 220 páginas e a íntegra da história, a quarta na sequência de lançamentos.

As seis edições originais da revista que publicou a minissérie pela primeira vez

Se você quiser conhecer o contexto da criação da série, leia o Baú de HQs de Sin City: O Difícil Adeus (1991-1992). Conteúdo indicado para maiores de 18 anos.

Qual a trama de Sin City: O Assassino Amarelo de Frank Miller

Cronologicamente, começamos mais de oito anos antes da linha temporal comum de Sin City. O protagonista é o detetive de polícia John Hartigan, pelos seus 50 anos, faltando poucas horas para a aposentadoria por problemas cardíacos.

O filho do senador Roak – da família mafiosa que manda na cidade – tem histórico de estupro e assassinato contra meninas. Hartigan descobre que Nancy Callahan, de 11 anos, está sequestrada pelo canalha. O primeiro capítulo mostra como o detetive salva a garota, disparando vários tiros contra Roak Jr., também em suas partes íntimas. Ele sobrevive, mas vegetando.

Mexer com a família Roak não fica de graça. O parlamentar do grupo reverte o caso, divulgando para a opinião pública que Hartigan estava violentando Nancy. As provas são adulteradas e surgem testemunhas falsas. Roak avisa: qualquer pessoa que ficar sabendo da verdade será assassinada, incluindo a esposa do policial, Eileen. Nancy foge.

O primeiro desafio de Hartigan é salvar Nancy, sequestrada pelo filho lunático de um senador

John Hartigan amarga oito anos em uma solitária, sofrendo todo tipo de tortura. O único alívio é ler as cartas da garota, sob o pseudônimo de Cordélia, e sem nenhuma referência que pode denunciá-la. No entanto, as missivas param. Preocupado, com a ajuda da advogada Lucille – personagem presente desde O Difícil Adeus – e uma confissão à contra gosto, o ex-policial entra em condicional.

É quando acompanhamos a investigação do protagonista para descobrir o paradeiro de Nancy. Quem leu as minisséries anteriores sabe onde a personagem trabalha. Desde a saída da prisão, o assassino amarelo está na cola de Hartigan. Ele é pintado por Miller na cor que o nomeia, sendo responsável pela primeira exceção ao P&B de Sin City.

Já deu para perceber que, com o movimento do ex-policial, Nancy estará em apuros. Os esforços de Hartigan, enfrentando o dilema entre o sentimento carnal e o de paternidade, serão para salvar a jovem, na mira do misterioso assassino amarelo e da família Roak. Como esperado, teremos páginas com muita ação, perseguição, drama e violência.

Vale a pena ler?

Frank Miller sabe conduzir a narrativa de forma única, rica em detalhes, mostrando as emoções e o caráter de todos os atores em profundidade. O conteúdo, apesar de ter bastante fôlego, nos mantém grudados na leitura, querendo descobrir os segredos da HQ e torcendo por Hartigan e Nancy.

O assassino amarelo surge meio que do nada e é responsável pela primeira cor na série

O detetive policial é mais um personagem típico de noir, bem delineado por Miller, e o vilão é incrivelmente bem construído e marcante, tanto esteticamente – o assassino amarelo –, com uma aparência que chega a dar náusea, quanto em suas sórdidas motivações e história.

Sobre a arte, não há muito o que acrescentar. Ela dá ótima sustentação ao clima do roteiro. Miller segue com o P&B estilizado dos outros volumes, porém, aprimorando cada vez mais o traço. Nesse sentido, O Assassino Amarelo ganha em requinte, corroborado pela adição bem pontuada da crócea.

Temos, ainda, o trabalho de luz e sombra em alto contraste, o domínio da perspectiva em cenários cúbicos, a boa dinâmica de movimentos e ângulos sagazes. Alguns quadros mostram a habilidade de Miller em dar profundidade a quadros totalmente 2D – parece paradoxal, não? –. Leia mais sobre a arte de Miller na matéria de O Difícil Adeus.

A conclusão da HQ é digna dos melhores dramas policiais. E vale pontuar o ótimo cruzamento de personagens, lugares e histórias em Sin City, o que dá coesão à série e nos faz ter a sensação de conhecer de perto a Cidade do Pecado.

*Sin City: O Assassino Amarelo foi um dos títulos que serviu de base para o filme Sin City: A Cidade do Pecado (2005), dirigido por Robert Rodriguez, Frank Miller e Quentin Tarantino, com Bruce Willis como John Hartigan, Jessica Alba como Nancy e Nick Stahl como o assassino amarelo.

Gostou do texto? Leia outras matérias do David Horeglad (HQ Ano 1) para o UB!

SIN CITY: O DIFÍCIL ADEUS DE FRANK MILLER (1991-1992) – BAÚ DE HQs

DEMOLIDOR DE FRANK MILLER (1979-1983) – BAÚ DE HQs

O FANTASMA POR JIM APARO (1969-1970) – BAÚ DE HQs

Compre Sin City: O Assassino Amarelo de Frank Miller Clicando na Capa Abaixo:


Créditos:
Texto: David Horeglad – @hq_ano1
Imagens: Reprodução
Edição: Diego Brisse
Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!

Ultimato do Bacon YouTube

 


 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Ultimato do Bacon Editora

Ultimato do Bacon Editora

18 de Jan de 2021

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade