Ultimato do Bacon

O que já podemos dizer de “Twilight Zone” de Jordan Peele?

Em 16 de Abr de 2019 2 minutos de leitura

Por Lucas Souza

Jordan Peele, o premiado diretor de “Corra!” e “Nós”, assumiu um tremendo desafio quando aceitou ser o responsável pelo reebot da clássica série “The Twilight Zone” de 1958. Contando com 3 episódios já exibidos, vamos falar um pouco sobre o estilo narrativo que o diretor, que também faz o papel de apresentador do programa, está trazendo. Vale lembrar que o seriado “The Twilight Zone” traz contos de suspense e terror onde fatos inusitados e inexplicáveis levam os personagens ao esgotamento mental.

Jordan Peele já havia provado em seus dois longas que sabe trabalhar muito bem com o terror e suspense – sejam eles psicológicos ou não. Nos 3 primeiros episódios de “The Twilight Zone” ele mostra que vai trazer para a série a tensão que nos acostumamos a sentir nos seus filmes. Os três episódios, que tratam de temas variados, sabem nos prender nas bizarrices e estranhezas dos acontecimentos – e os três souberam nos fazer acreditar que entendemos para que caminho a história estava indo, até que conseguiram surpreender na tirada final.

 

Segundo episódio da série intitulado “Nightmare at 30,000 Feet” traz um misterioso podcast encontrado em um avião.

 

Acho que a maior dificuldade em uma antologia como “The Twilight Zone” é justamente o final. Temos pouco tempo para criar uma situação inusitada que desperta curiosidade ao mesmo tempo em que prepara o espectador para um final que vai deixá-lo pensativo. Por mais que consigamos antever o que está por vir, é a forma como as coisas acontecem (ou não acontecem) que nos chama a atenção. O segundo episódio da série, intitulado “Nightmare at 30,000 Feet” retrata muito bem essa ansiedade que a história deve criar. Somos apresentados a um repórter que encontra um misterioso pen drive que relata, em detalhes, como o avião que ele está dentro vai desaparecer. A angústia do personagem é palpável e conseguimos antever o desfecho conforme a história se desenvolve – mas é a forma como tudo acontece que realmente faz a diferença.

 

Jordan Peele dirige e apresenta os episódios de “The Twilight Zone”

 

O terceiro episódio da série, intitulado “Replay”, é o que mais tem similaridade com os outros trabalhos do diretor e mostram sua versatilidade em trabalhar qualquer assunto da forma que for melhor para a sua narrativa. Ele consegue trazer um tema que está razoavelmente batido, o looping temporal, e transformar o assunto em um tema muito mais amplo enquanto uma mãe tenta desesperadamente sair da situação que vai provocar a morte do seu filho.

Pelo que vimos nos primeiros 3 episódios, “The Twilight Zone” não poderia estar em melhores mãos. Saber fazer terror/suspense sem ter que jorrar sangue ou criar monstros aterrorizantes parece ser uma dificuldade para a maioria dos diretores e roteiristas atuais. Peele conseguiu, nos três primeiros episódios, criar narrativas envolventes e angustiantes que são completamente diferentes entre si: um comediante, um passageiro de avião e uma mãe em uma lanchonete. A diversidade dos temas e o tom dos episódios nos deixam ansiosos para as próximas histórias que o diretor vai trazer para o seriado.

Obs. Fique atento pois tem sempre algo que faz referência ao episódio anterior. Uma capa de revista, uma placa de carro.. Se isso quer dizer algo, ou é só uma brincadeira do diretor, ainda não sabemos. Mas toda atenção é pouca quando se está na “Twilight Zone”…

 


 

Acessem nossas redes sociais e nosso link de compras da amazon

Instagram 

Facebook

Amazon


 

 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

DC divulga segundo trailer de Pennyworth, série derivada do universo de Batman

24 de Abr de 2019

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade