O Parque dos Sonhos (Wonder Park)
Ano: 2019 Distribuição: Paramount Pictures
Estreia: 14 de Março

Direção: Dylan Brown

Roteiro: André Nemec, Josh Appelbaum

Duração: 85 Minutos  

Elenco: Sofia Mali, Jennifer Garner, Mila Kunis, Matthew Broderick, Ken Hudson Campbell

Sinopse: “A jovem otimista e sonhadora June encontra escondido na floresta um parque de diversões chamado Wonderland, que é cheio de passeios e animais que falam. O único problema é que o parque está confuso e desorganizado. June logo descobre que o parque veio de sua imaginação e que ela é a única que pode deixar o lugar mágico de novo.”

 

 

 

Alexandre Baptista

Com belos efeitos 3D e um roteiro competente, O Parque dos Sonhos é uma boa aposta para a família

Longa com roteiro de André Nemec e Josh Appelbaum estreia nesta quinta, 14 de março

por Alexandre Baptista

 

Nem só de blockbusters e cults vive o cinema. Ele também é povoado por filmes mais diretos e simples, voltados às lacunas ou espaços de baixa – a entressafra dos grandes lançamentos – almejando um público que não pretende vivenciar e não se importa tanto com “a grande arte” do cinema. São filmes que, assim como biscoitos recheados industriais não podem ser considerados alta gastronomia, querem como espectador o consumidor e não o cinéfilo.

Vez ou outra um desses filmes se destaca por possuir uma ou outra qualidade mais artística, alçando a equipe ao patamar de visionária – sejam os roteiristas, atores ou diretores do longa em questão.

O Parque dos Sonhos não cabe neste último quesito, talvez por pisar em temas que já foram retratados intensamente no cinema: criança alegre e com boa relação familiar sofre alguma decepção da vida e “perde sua magia”. Durante o processo de amadurecimento, redescobre a alegria de viver e entende que, apesar de ser dolorido crescer, a vida fica mais fácil com alegria e uma boa família.

O roteiro de André Nemec e Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja, 2014)  é competente mas recheado de clichês e, por vezes, lembra bastante Divertida Mente (Inside Out, 2015). No entanto, de forma geral, convence por ter uma história divertida, bem-feita e com um ótimo ritmo. Chega até a ser um pouco acelerada em alguns trechos, mas faz bastante sentido quando pensamos no irrequieto público alvo a que se destina o longa.

A trilha sonora é um tanto genérica. Não incomoda, mas também não se destaca.

O design de personagens e cenários, a palheta de cores e todos os efeitos visuais são muito agradáveis e de bastante bom gosto, sendo um dos pontos altos do filme.

Nesse sentido, o maior destaque vai para o 3D. Sei que muitas crianças acabam se incomodando com o efeito, preferindo as tradicionais sessões 2D. Mas O Parque dos Sonhos usa essa tecnologia de uma forma muito interessante, algo que a maioria dos filmes atualmente parece não levar em consideração.

Por fim, apesar de preferir sempre o áudio original em qualquer produção, aprecio muito o trabalho de dublagem (especialmente por ser profissional da área) e conferi o trabalho dirigido por Wendel Bezerra, com Lucas Veloso e Rafael Infante na voz de Steve e Cooper, os castores gêmeos do parque. A dublagem e adaptação de texto está ótima, com uma pequena crítica à voz de June – um tanto madura para a personagem na minha opinião. Também vale apontar que, logo no começo do filme, duas falas de Boomer, o urso, começam “cortadas”, com a palavra já começada. Uma falha na mixagem que “fechou” demais a trilha de voz, mas que não é culpa dos dubladores em si.

De modo geral, O Parque dos Sonhos é uma excelente produção para se conferir com toda a família, especialmente aquelas que possuem pequenas e pequenos cinéfilos. Certamente não será o destaque do verão, o filme do ano ou a grande aposta no Oscar do ano que vem. Mas é, sem dúvida, uma ótima opção de atividade em família e que vai empolgar e animar as crianças.

 

 

Avaliação: Bom!

 

 

Trailer:

 
 
 

Acessem nossas redes sociais e nosso link de compras da amazon

Instagram

Facebook

Amazon