Ultimato do Bacon

O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2013) – O Ultimato

Em 31 de Ago de 2021 4 minutos de leitura
O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2017) – O Ultimat

Conheça Harry Haft, o pugilista que sobreviveu à Auschwitz e enfrentou Rocky Marciano em: O Boxeador

Como em todos os relatos sobre o Holocausto, O Boxeador: a história real de Hertzko Haft (2013) é denso, difícil de engolir. Além de tratar de um horror vivido por milhões de judeus, a vida de Haft nos apresenta um recorte pouco conhecido desse período: o boxe nos campos de concentração.

A HQ é a biografia desenhada do polonês conhecido como Harry Haft (1925-2007), com destaque para sua vida durante a 2ª Guerra Mundial e, posteriormente, como pugilista nos EUA. Entre 1948 e 1949, Haft teve 21 lutas. Dez vitórias seguidas, 13 no total, com oito nocautes e oito derrotas.

O Boxeador: A história real de Hertzko Haft foi impresso pela primeira vez na Alemanha, terra natal do autor, em 2009. Reinhard Kleist já era conhecido por biografias em quadrinhos como Johnny Cash: uma biografia (2009), Elvis (2010) e Castro (2011). Todas foram publicadas no Brasil pela editora 8Inverso.

Neste caso, Kleist adaptou o livro Harry Haft: Auschwitz survivor, challenger Rocky Marciano (Harry Haft: sobrevivente de Auschwitz, desafiador de Rocky Marciano), de autoria do filho do pugilista, Alan Scott Haft. A obra, de 2003, foi feita a partir das lembranças do pai e ainda não saiu em português.

Qual o enredo de O Boxeador

Em ordem cronológica, conhecemos a juventude de Haft na cidade industrial de Belchatow, na Polônia, onde seu pai, Moische Haft, vendia frutas. A família era formada também por Hynda Haft, a mãe, os irmãos Aria – o mais velho – e Perez, e as irmãs, que haviam se mudado para Lodz, cidade maior.

Haft tinha 15 anos quando os alemães ocuparam Belchatow, em 1939. Os três irmãos, com a morte do pai e em um período em que “tudo era proibido” para os judeus, sustentavam a casa com o “contrabando” de comida.

É nesta fase que acontece o que, de certo modo, seria a linha de condução de toda a história a seguir. Haft, baleado após fugir de soldados alemães, conhece Leah Pablanski. Os dois se apaixonam e, sim, esta biografia é também uma brutal história de amor.

O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2017) – O Ultimat

A chegada à Auschwitz, onde Haft viveria alguns de seus piores pesadelos

Quando Haft é preso, perde o contato com Leah e o terror passa a ser constante. Ele trilha por diversos campos de concentração. Entre eles, Auschwitz, onde chegou a trabalhar recolhendo e incinerando os corpos das vítimas das câmaras de gás.

Encarcerado, o polonês conhece um soldado da SS denominado “Schneider” – cujo nome real não se sabe –. O nazista acabou mostrando certa simpatia por Haft. Em conversas, esclarece que não concorda com tudo o que seu estado faz e vislumbra a derrota alemã na guerra. E conclui, a proximidade deles proporcionaria uma testemunha positiva em um futuro julgamento.

A relação entre os dois dá um caráter bem singular à história. Claro que, durante o Holocausto, Schneider tirou muito proveito de Hertzko. Foi assim que o polonês entrou para o boxe clandestino. Quem vencia as lutas permanecia vivo e continuava servindo ao sádico entretenimento esportivo dos soldados da SS.

A única regra no boxe dos campos de concentração era que a disputa seguia “até que um dos dois não consiga mais lutar.” Os boxeadores judeus aceitavam isso pela garantia, mesmo que breve, de sobrevivência a cada vitória e por um pouco mais de ração ou sopa. As apostas corriam soltas.

O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2017) – O Ultimat

O quadrinho retrata como era o boxe nos campos de concentração, um entretenimento sádico

Além de ser obrigado a espancar outros judeus, normalmente famélicos, Haft ainda vivenciou muitas crueldades. Participou das “marchas da morte” e foi escravizado até a derrota alemã.

Na segunda parte do quadrinho, vemos Hertzko buscar uma vida melhor nos EUA. É quando conhecemos sua história como Harry Haft, o boxeador que queria estampar as capas dos jornais. O objetivo, diferente do que se possa imaginar, era ser reconhecido e encontrado por Leah.

A principal dessas lutas foi a última, com Rocky Marciano, onde Haft conta detalhes – não comprovados – que ninguém na época poderia imaginar.

Vale a pena ler O Boxeador?

O quadrinho é vencedor do Prêmio PENG! 2013 do Festival de Quadrinhos de Munique e do Grande Prêmio 2013 do Festival de Quadrinhos de Lyon.

Apesar de algumas semelhanças com Maus: a história de um sobrevivente (1980-1992), como o fato de conhecermos os relatos e lembranças de dois sobreviventes de Auschwitz pelo resgate de seus filhos, Alan Haft e Art Spiegelman, a obra analisada aqui é única. Não só por serem pessoas diferentes.

O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2017) – O Ultimat

Kleist desenha a famigerada luta entre Haft e Marciano

Em O Boxeador: a história real de Hertzko Haft, ganha destaque o que as vítimas do Holocausto, em situações extremas, acabaram por fazer buscando a sobrevivência. Ações que em hipótese outra alguma essas pessoas fariam. E talvez aí se registre um dos aspectos mais cruéis do período.

Incluem-se nisso o canibalismo e as próprias lutas até a morte que Haft enfrentou. Kleist desenha muito bem a confusão e o transtorno mental do personagem. Se na maior parte do quadrinho temos uma arte que nos lembra e muito Will Eisner, nos momentos de maior pressão a face do polonês ganha contornos sujos e menos delineados.

O material extra, na parte final da publicação, também é excelente. Nele, o jornalista esportivo Martin Krauss apresenta um artigo com consultas historiográficas que nos trazem informações sobre como funcionavam os esportes nos campos de concentração, o que existe de registros da burocracia da SS sobre Haft e sua família, e um pouco da história de outros boxeadores vítimas desse espetáculo perverso.

Vale dizer que, apesar de o Boxeador: a história real de Hertzko Haft ser um duro relato do Holocausto e de seus desdobramentos na vida de um homem, é também o registro do poder do amor.

Fica aparente que muito da força de Haft para sobreviver em Auschwitz vinha do desejo de rever Leah. Assim como no esforço dos ringues, que o levou a enfrentar o melhor adversário da época.

Avaliação: Excelente!

Compre O Boxeador clicando na capa abaixo! 

O Boxeador A História Real de Hertzko Haft (2017) – O Ultimat

Gostou do texto? Leia outros Ultimatos do David Horeglad (HQ Ano 1) para o UB!

MAUS: A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE – O ULTIMATO

COLTRANE (2009) – O ULTIMATO

O ETERNAUTA 1969 – O ULTIMATO


Créditos:
Texto: David Horeglad – @hq_ano1
Imagens: Reprodução
Edição: Diego Brisse
Compre pelo nosso link da Amazon e ajude o UB!


Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade