Mudo
Ano: 2018 Distribuidor: Netflix
Estreia: 23 de Fevereiro Direção: Duncan Jones
Duração: 126 min Elenco: Alexander Skarsgård, Seyneb Saleh, Paul Rudd, Justin Therouxs

Sinopse: “Em um futuro próximo, um homem mudo procura por sua namorada desaparecida no impiedoso submundo de Berlim, onde atitudes valem muito mais do que palavras."

Diego Brisse

A ficção cientifica sempre sofreu para conquistar as telas. São caras demais e com público de menos, inviabilizando grandes produções. Com a chegada da Netflix, veio a possibilidade de termos mais filmes do gênero, mas se for para termos produções como essa, é melhor ficar somente nos livros mesmo.

Inicialmente pensado como uma Graphic Novel, que obviamente não foi pra frente, Mudo é um filme que tenta ser ficção científica, mas é uma tentativa tão miserável que chega a dar vergonha. O ritmo é chato, as tramas não prendem a atenção, eu dormi no mínimo três vezes e tive que voltar para ver as “cenas perdidas”.

Alexander Skarsgard é um bom ator, ele até consegue dar uma qualidade a mais para o filme, mas é uma tarefa muito absurda conseguir isso aqui. O restante do elenco parece estar ali de favor, Paul Rudd tem um personagem tão caricato, que fica difícil gostar.

O filme é repleto de cenas que não acrescentam nada na trama central e as subtramas são tão insignificantes que passariam despercebidas se não fosse a insistência do diretor em dar destaque a elas. Mudo tenta ser uma trama investigativa, de busca, aonde o protagonista procura por sua namorada desaparecida tendo que lidar com sua incompatibilidade religiosa e moral em relação ao meio em que vive. O filme se passa em uma Berlim futurista, em uma versão que faz de tudo para fazer o expectador lembrar de Blade Runner, forçando demais ao inserir até mesmo figurinos e personagens característicos do universo, alguns desses elementos até são interessantes porém não são explorados e acabam irritando pelo potencial desperdiçado!

Mudo é um filme de ficção científica feito para Hipsters, que tenta a todo custo forçar filosofias e significados ocultos que nem o criador entende. Exala arrogância tentando se fazer de inteligente quando não passa de uma colcha de retalhos de cenas com tramas e subtramas quase desconexas. Longo, chato e bobo!

 

 

Avaliação: Ruim