Jumanji: Bem-Vindo à Selva
Ano: 2018 Estúdio: Sony Pictures
Estreia: 04 de Janeiro Diretor: Jake Kasdan
Duração: 119 min Elenco: Dwayne Johnson, Jack Black, Kevin Hart, Karen Gillan, Nick Jonas, Bobby Cannavale

Sinopse: “Quatro adolescentes encontram um videogame cuja ação se passa numa floresta tropical. Empolgados com o jogo, eles escolhem seus avatares para o desafio, mas um evento inesperado faz com que sejam transportados para dentro do universo fictício, transformando-se nos personagens da aventura.​”

João Pedro

Quando anunciada a continuação de Jumanji (assim como várias outras) causou uma grande polemica, afinal, muitas pessoas amam o filme original (cuja qualidade não está em discussão aqui. Entre as polemicas, os trailers mostravam um ar muito diferente do que estávamos acostumados. Mas basta ver o filme para entender algumas coisas.

Evolução. Para mim é a palavra que melhor reflete o filme. O jogo original evolui para atrair novos jogadores, e os protagonistas embarcam em uma jornada de evolução (meio clichê, eu sei). O filme tem vários pontos interessantes, como a filmografia e a própria história em si. A transformação do jogo de tabuleiro para um videogame funciona, principalmente pelo cuidado da produção em adicionar alguns toques clássicos como itens, NPCs e dividindo o filme em fases.

Dwayne Johnson, Kevin Hart e Karen Gillan se saem muito bem em seus papeis de avatares para adolescentes presos em um game, mas é Jack Black quem rouba a cena. Sua interpretação de uma garota mimada presa no corpo de um cartógrafo de meia idade é incrível e proporciona grande parte da diversão do filme. Ao contrário do que se poderia esperar, é a personagem de Gillan a responsável pelas melhores cenas de ação, talvez aquietando um pouco as mentes de quem tanto reclamou de seu figurino curto. Kevin Hart está engraçado na medida certa, raramente passando do ponto, uma vez que seu passado com comedias exageradas também preocupou muita gente. Dwayne Johnson também se sai muito bem como um adolescente que de repente acorda num corpo “superforte”, e sua atuação agrada bastante. Não há muito o que se dizer sobre os protagonistas adolescentes fora do jogo, uma vez que vemos poucos deles, apenas o suficiente para que eles incorporem alguns dos clichês mais comuns que vemos em filmes juvenis. Nick Jonas aparece lá pela metade do filme, mas seu personagem, assim como os demais, casa muito bem com a temática e sua atuação é muito boa.

O único ponto fraco do elenco é Bobby Cannavale, que interpreta uma nova versão do caçador Van Pelt. Para quem não se lembra, Van Pelt serviu como o principal antagonista de Alan Parrish (Robin Williams) tendo caçado o rapaz durante todo o tempo que este esteve preso em Jumanji. Enquanto o caçador no filme original é uma verdadeira pedra no sapato, em Bem-Vindo à Selva muito se fala sobre seu poder, mas pouco realmente aparece na tela, fazendo com que o vilão fique apagado no meio da história.

Para todos aqueles que ainda tem dúvidas sobre o filme, saibam que uma continuação foi uma ideia muito mais acertada que um remake. O filme homenageia sutilmente seu predecessor, mas ainda assim funciona de maneira isolada. Além disso, o mais importante na minha opinião é o fato de que o filme proporciona uma boa diversão, sendo um ótimo filme para se ver com os amigos e a família, uma comédia capaz de divertir e entreter.

 

Avaliação: Bom