Ultimato do Bacon

Godzilla: Planeta dos Monstros – O Ultimato

Em 19 de Jan de 2018 2 minutos de leitura
Godzilla: Planeta dos Monstros
Ano: 2018 Emissora: Toho/Netflix
Estreia: 17 de Janeiro

Criador: Gen Urobuchi

Duração: 88 minutos Elenco: Mamoru Miyano, Takahiro Sakurai, Kana Hanazawa, Yūki Kaji

Sinopse: “No século XX, a humanidade soube da existência do Godzilla e, após diversas derrotas, fez um plano para sair da terra e habitar outro planeta. Porém, os cálculos estavam errados e após uma viagem de 20 anos, os humanos perceberam que o planeta escolhido não tinha condições para a vida. O protagonista da trama é Haruo, que viu seus pais serem mortos pelo Godzilla quando tinha 4 anos e agora só quer voltar para a Terra e derrotar o animal. Ao retornarem, no entanto, já se passaram 20.000 anos na Terra, que agora tem seu ecossistema controlado pelo Godzilla."

[tabby title=”Breno Raphael”]

O rei de todos os monstros, e dessa vez, maior do que já se viu, chegou na Netflix. A animação de 2017, Godzilla: Planeta dos Monstros, já está disponível  no serviço de streaming,  e surpreende em alguns fatores,  mas não se livra de erros já conhecidos pelos fãs do “lagartão”

Na trama, a humanidade não consegue se livrar da ameaça do Godzilla quando ele surge. Com isso, os humanos decidem explorar o espaço com o objetivo de encontrar um outro planeta que possa ser habitável. Após vinte anos, e sem o objetivo alcançado, diversos fatores fazem com que eles decidam voltar para a Terra e toma-la de volta. 

O primeiro ato do filme é arrastado. Os fãs que estão acostumados com animes mais rápidos e eletrizantes (como One Punch, Dragon Ball e Boku no Hero) podem até sentir sono. Nessa parte da trama é explicado todo o contexto que leva os humanos a saírem da Terra, e as dificuldades apresentadas que fazem eles retornarem.  Existe um pano de fundo envolvendo um jogo politico entre raças que é meio deixado de lado e sendo pouco explorado no decorrer do filme, muito em decorrência da união que foi feita para combater o monstrão.

O protagonista, Haruo Sakaki, é bem desenvolvido. Seus objetivos e suas motivações são entendíveis e, diferente do filme do Gareth Edwards que coloca o Godzilla como o “héroi” e tornando o espectador parceiro do monstro, neste torcemos realmente para que o protagonista consiga vencer.

E por falar no filme de 2014, um dos erros se repete. O godzilla demora muito a aparecer, o que pode causar uma certa “desistência” nas pessoas. Em um meio como a Netflix, onde todo mundo está assistindo diversas séries, um filme demorar a engrenar pode ser perigoso e pode fazer com que ele perca público. Godzilla tem esse problema, mas quando engrena , ele entrega. 

Existem cenas excelentes, combinando o anime com um gráfico em CG, que fica incrível. A fotografia é espetacular, principalmente nas cenas do espaço e nas cenas que mostram a natureza. A ação demora a acontecer, mas quando acontece, também cumpre seu papel. A trilha sonora escolhida casa muito bem, parecendo trilhas de Space Opera, e lembra  nas cenas do espaço de Star Wars, e na batalha na Terra, de Thor Ragnarok.

Godzilla: Planeta dos Monstros tem um visual incrível,  boas cenas de ação e um monstro destruidor maior do que todas as suas outras versões. Porém, esbarra em um roteiro simples e arrastado, uma demora pro filme empolgar e a espera pro monstro realmente aparecer. Mesmo assim, o saldo é positivo pra essa primeira parte, que prepara o terreno e serve como uma peça introdutória de algo que pode, e tem potencial, de se tornar imenso.

OBS: Tem uma cenazinha pós crédito 😉

Avaliação: Bom

 

[tabbyending]

https://www.youtube.com/watch?v=pjsgrYQEgyk

 

 

 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

DC divulga segundo trailer de Pennyworth, série derivada do universo de Batman

24 de Abr de 2019

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade