Ultimato do Bacon

Espero Tua (Re)volta concorre ao prêmio de melhor documentário do Festival de Berlim

Em 4 de Fev de 2019 4 minutos de leitura

Longa produzido pela TVa2, Espero Tua (Re)volta, de Eliza Capai, é o único representante brasileiro na Mostra Geração 14+

por Alexandre Baptista

 

Conforme já noticiamos por aqui, Espero Tua (Re)volta de Eliza Capai, é o único documentário brasileiro competindo na Mostra Geração 14+ do Festival de Berlim. Pois o longa que retrata o panorama brasileiro durante as recentes manifestações populares acaba de ser selecionado também para o Glashütte Original – Documentary Award 2019 – o prêmio de melhor documentário do festival (além do troféu, o vencedor ainda recebe 50 mil euros).

O longa é uma das 17 produções escolhidas para o Glashütte Original entre os participantes, tanto da Seleção Oficial competitiva para o Urso de Ouro, como Berlinale Special, Panorama, Forum, GenerationPerspektive Deutsches Kino, e até mesmo Culinary Cinema.

Outros dois filmes brasileiros concorrem ao prêmio: Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes e Chão, de Camila Freitas. Espero Tua (Re)volta reflete, a partir do olhar de três jovens ex-secundaristas, a recente história brasileira por meio das lutas estudantis.

O filme é uma produção da TVa2, com coprodução da Globo Filmes/Globonews, através da Lei de Audiovisual, em conjunto com investimentos do Fundo Setorial (BRDE/Ancine), através de parceria com o Canal Curta! e distribuição da Taturana Mobilização Social.

 

Espero Tua (Re)Volta

Sinopse: Quando a crise se aprofundou no Brasil, os estudantes saíram às ruas e ocuparam escolas protestando por um ensino público de qualidade e uma cidade mais inclusiva. Espero Tua (Re)volta acompanha as lutas estudantis desde as marchas de 2013 até a vitória do presidente Jair Bolsonaro em 2018. Inspirada pela linguagem do próprio movimento, o filme é conduzido pela locução de três estudantes, representantes de eixos centrais da luta, que disputam a narrativa, explicitando conflitos do movimento e evidenciando sua complexidade.

Sessões no Festival de Berlim
Sábado, 09/02, às 16h (local de Berlim), na HKW (Premiere)
Domingo, 10/02, às 20h15m, no Cubix 8
Quinta, 14/02, às 16h, no Zoo Palast 2
Sábado, 16/02, às 10h, no CinemaxX 1
 
 
Eliza Capai
Eliza Capai é uma documentarista independente preocupada com temáticas sociais e formas criativas de produção, narrativas e distribuição. Jornalista formada pela Universidade de São Paulo (ECA/USP), assina a direção e roteiro de 15 curtas-metragens e quatro séries para TV, três séries para web, além de três médias e dois longas-metragens documentais. Atualmente é bolsista do OpenDocLab no MIT – Massachussets Institute of Technology.
Seu primeiro longa, Tão Longe é Aqui (2013), discute a situação feminina a partir de uma viagem pela África e foi lançado com o prêmio de Melhor Filme na Mostra Novos Rumos do Festival do Rio, entre outros prêmios no Brasil e no exterior.
Em 2014 seu curta Severinas, sobre a autonomia feminina no sertão, foi finalista do Prêmio Garcia Marques de Jornalismo Ibero-americano.  Em 2016, lançou seu segundo longa, O jabuti e a Anta, que através de personagens ribeirinhas e indígenas, reflete sobre as gigantes hidrelétricas amazônicas. Em 2017, Eliza lançou a partir de uma distribuição coletiva, o média #Resistência (2017).
 
A TVa2 é uma produtora independente de filmes focada na realização de documentários com temáticas sociais e políticas.
Em TV, já exibiu suas produções em diversos canais no Brasil e também no exterior, como BBC, RTP e Aljazeera.
Em cinema, o longa O Estopim (2014), sobre a ocupação militarizada das favelas do Rio, entre outros importantes prêmios e festivais, venceu o Grand Prix do Festival Internacional de Televisão de São Paulo.
O longa anterior, Cortina de Fumaça (2010), sobre política de drogas, participou de mais de 20 festivais e integra a lista internacional dos 11 documentários que podem mudar a sua visão do mundo, publicada pela Revista Galileu e pelo blog Hypeness.
Atualmente, a TVa2 lança a sua mais recente produção, o longa Espero tua (re)volta (2019), de Eliza Capai, na Mostra Geração 14+ do Festival Internacional de Berlim.
 
A Taturana é uma distribuidora de filmes com foco em impacto social. Fundada em 2013, vem trabalhando com circuitos comerciais e não comerciais com o objetivo de democratizar o acesso ao cinema e potencializá-lo como ferramenta de impacto social.
 
Globo Filmes / Globonews
A associação entre a GloboNews e a Globo Filmes tem entre seus principais objetivos formar plateias para o documentário e, em consequência, ampliar o consumo desses filmes nas salas de cinema. A parceria tem contribuído para um importante estímulo ao documentário no Brasil, onde o gênero ainda tem pouca visibilidade quando comparado aos demais países. A iniciativa visa o fortalecimento e a promoção dentro do mercado audiovisual brasileiro, através da coprodução e da exibição desses longas.
O projeto completa cinco anos em 2019 e a parceria estimula a criação de longas-metragens que, após a exibição nas salas de cinema, vão ao ar na emissora. Ao longo desse período, os filmes foram vistos por mais de seis milhões de pessoas no canal por assinatura e o alcance médio das produções foi de 450 mil telespectadores por exibição.
Foram lançados filmes como Brasil: DNA ÁfricaCidades Fantasmas, vencedor do Festival É Tudo Verdade 2017, Slam: Voz de Levante e Pitanga, premiados respectivamente nos Festivais do Rio e de Tiradentes em 2017, e A Corrida do Doping.
Outros destaques foram o longa coletivo 5 x Chico – O Velho e Sua Gente, sobre comunidades banhadas pelo Rio São Francisco, selecionado para quatro festivais internacionais na França; Tim Lopes – Histórias de Arcanjo, sobre a trajetória do jornalista morto em 2002; Betinho – A Esperança Equilibrista, que narra a vida do sociólogo Herbert de Souza; Menino 23, que acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar a partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, ambos vencedores do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2016 e 2017, respectivamente; Setenta, de Emília Silveira, sobre a militância política nos anos 1970, que recebeu dois prêmios no 8º Festival Aruanda (Paraíba), incluindo o de Melhor Filme pelo júri popular; e o premiado Meu nome é Jacque, de Angela Zoé, que enfoca a diversidade sexual a partir da experiência da transexual Jacqueline Rocha Cortês, eleito o Melhor Longa Nacional pelo júri do Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema 2016.
Entre 2018 e 2019, são mais de 65 filmes em produção, envolvendo mais de 60 produtoras de diferentes regiões do país, ajudando a fomentar o mercado.
 
Dedicado às artes, à cultura e às humanidades, o Curta! é um canal independente que acolhe a experimentação e se orgulha de ser um parceiro dos realizadores, artistas, criadores e produtores. Com o compromisso de transmitir 12 horas por dia de programação nacional independente, o canal pauta a sua programação pelos seguintes temas: música, dança, teatro, artes visuais, arquitetura, metacinema, filosofia, literatura, história política e sociedade.
O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET e da Claro TV, no canal 75 da Oi TV e no canal 664 da Vivo, oferecido à la carte pela operadora.
Curta! nas redes sociais: Facebook, Twitter e Youtube.

 

 

 


 

Acessem nossas redes sociais e nosso link de compras da amazon

Instagram 

Facebook

Amazon


 

 

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Quero participar

Notícias relacionadas

MonsterMen de Gary Gianni está com campanha no Catarse (3)

MonsterMen de Gary Gianni está com campanha no Catarse

20 de Nov de 2022

Nós usamos cookies para garantir que sua experiência em nosso site seja a melhor possível. Ao navegar em nosso site você concorda com a nossa política de privacidade.

OKPolítica de privacidade