O Justiceiro é um dos personagens da Marvel mais interessantes, porém com uma irregularidade na qualidade de suas histórias muito grande.

O problema, ao meu ver, é que o personagem não funciona bem dentro do universo Marvel como um todo quando posto lado a lado com os heróis coloridos e ultra poderosos.

Assim como diversos personagens urbanos, para “encaixar” o Justiceiro eles acabam dando poderes ou habilidades muito além do que o personagem tem, sejam cósmicos, divinos ou até armaduras high tech. E na maioria das vezes fica uma bosta!

O selo Marvel Max foi uma linha editorial da Marvel para publicar séries mais adultas, com conteúdo explícito.

Naturalmente os personagens mais urbanos tiveram destaque e o Justiceiro foi o maior beneficiado. Para escrever o personagem veio o doente Garth Ennis, que já provou que sua loucura é ilimitada como vemos em Crossed, o escolhido perfeito para escrever um personagem tão insano.

Qual a trama de Justiceiro – No Princípio

O encadernado Justiceiro – No Príncipio (compre clicando aqui!) lançado pela Panini conta com a minissérie em quatro edições Justiceiro: Nascido Para Matar (Punisher: Born – 2003), e as doze primeiras edições da série Justiceiro Max (The Punisher – 2004).

Nessas doze edições temos dois arcos: No Princípio e Inferno Irlandês. Irei fazer um review para cada arco.

Justiceiro: No Princípio - Baú de HQs 1

Justiceiro – Nascido para Matar

Essa é um pretensa história de origem do Justiceiro, mostrando sua última participação na guerra do Vietnã.

Garth Ennis aqui já começa a construir o personagem e dar base para as habilidades de Frank Castle. A história é bacana, Ennis tenta inserir um elemento meio…místico, que me incomoda um pouco.

As cenas de ação são sensacionais, mas aqui o principal é conceito de guerra que o personagem tem, mostrando nessa versão que a morte da família de Frank foi só um gatilho para ele se tornar o louco que conhecemos.

Justiceiro: No Princípio - Baú de HQs 2

No Princípio

Aqui Ennis entrega uma das melhores histórias do Justiceiro, com muita violência, porrada e ódio. Aqui já temos um Frank Castle com seus quase (ou mais de) 50 anos.

Na trama o personagem já está estabelecido e causa terror aos inimigos, e aqui vem o conceito abordado diversas vezes de que a guerra de Frank nunca vai acabar.

Justiceiro: No Princípio - Baú de HQs 3

Inferno Irlandês

Esse arco eu achei muito abaixo do anterior, em alguns momentos nem parece o mesmo Frank Castle.

A história é chata, mesmo com momentos legais fica a sensação de que o autor pegou leve. A arte também ficou bem abaixo.

O Justiceiro ficou muito de coadjuvante nesse arco, parece até que fez tratamento para tentar ser mais amigável. Mesmo estando bem abaixo do arco anterior, é uma história do Justiceiro acima da média do que vimos várias vezes.

Justiceiro – No Princípio é um ótimo encadernado, a leitura rápida, dinâmica. Recomendo para todos que querem fugir um pouco das histórias coloridas.    

 

Compre clicando na capa abaixo!

 

Justiceiro: No Princípio - Baú de HQs 4

Fiquem ligados no Ultimato do Bacon e confiram nossas matérias sobre HQ’s!


Créditos:

Edição e Texto: Diego Brisse
Imagens: Reprodução
Matéria publicada originalmente em 15 de outubro de 2019. Atualizada em 10 de abril de 2020.

Quer debater Quadrinhos, Livros e muito mais?

Conheça nosso grupo no WhatsApp!

Notícias Relacionadas: