Superman: Entre a Foice e o Martelo
Ano: 2017 Editora: Panini
Páginas: 172

Autor: Mark Millar

Arte: Dave Johnson; Kilian Plunket

 

Sinopse: “Nessa surpreendente releitura de um conto mais que familiar, uma certa nave kryptoniana cai na Terra, trazendo um infante que um dia se tornará o ser mais poderoso do planeta. Mas seu veículo não caiu nos Estados Unidos. Ele não foi criado em Smallville, Kansas. Em vez disso, encontrou um novo lar em uma fazenda coletiva na União Soviética! Da mente de Mark Millar, elogiado roteirista de Authority e O Procurado, chega esta estranha e genial reinterpretação do mito do Superman. Com arte de Dave Johnson, Kilian Plunkett, Andrew Robinson e Walden Wong. 

Diego Brisse

Essa talvez seja a versão mais polêmica e interessante do universo DC. A premissa de Mark Millar é tão intensa e chamativa que gera uma expectativa muito alta no leitor. Mas será que cumpre? Vejamos…

Uma das idéias mais legais que gera discussões intensas entre os leitores, é a posição de "divindade" que o Superman sempre rejeitou. Ele é talvez o ser mais poderoso no mundo, apesar de seus pontos fracos, mas que com planejamento poderia dominar o mundo. Tal premissa foi explorada de maneira interessante no jogo e na série de HQs Injustice, mas aqui em Entre a Foice e o Martelo, que por sinal inspira diretamente a série Injustice, a maneira como a tomada de poder foi tratada é muito bem trabalhada.

A construção do personagem é muito paciente, Millar teve preocupação em manter a essência "escoteira" do Superman durante toda a narrativa. O fato de o personagem ser fiel a ideologia comunista, adepto do socialismo tem muita coerência com essa essência. A caminhada que leva o personagem até a posição de ditador é muito bem desenvolvida. O ideal primordial de manter o mundo salvo e seguro, mesmo que seja dele mesmo, torna o paralelo com o socialismo e o comunismo muito mais profundo.

Os paralelos políticos são legais, o autor fica a todo momento fazendo críticas à ambos os sistemas, e encontra no personagem da Mulher Maravilha uma forma de equilíbrio. O tom anarquista do Batman é ótimo, embora o personagem aqui seja um tanto caricato, casa com a proposta de usar os personagens principais para assumir lados politicos. Lex Luthor talvez tenha aqui uma de suas melhores versões, fazendo o papel totalmente oposto ao Superman, seu comportamento por muitas vezes errôneo e radical traz o equilíbrio perfeito entre ambos, e ao final temos o famoso ponto de equilíbrio moral entre ambos.

Entre a Foice e o Martelo é um material indispensável para qualquer colecionador ou amante de HQs. Com sua interpretação peculiar e inteligente do universo DC, o autor cria uma obra única. Meu único desagrado é o final, que não só é absurdo como cria uma situação muito incoerente. A sensação é de que Millar só quis criar uma polêmica ou algo para que os leitores ficassem impressionados. Eu só fiquei puto mesmo…

Adquira aqui 

Superman: Entre a Foice e o Martelo - O Ultimato 1

Avaliação: Ótimo!