por Lucas Souza

 

No mundo das HQ´s já é tradicional termos, quase que anualmente, uma saga que envolve uma grande ameaça e praticamente todos os personagens da editora. Essas Mega Sagas são, em sua grande maioria, caça-níqueis que acabam vindo com a promessa de mudar tudo e dizendo que “nada será como antes”. A realidade é que a grande maioria possui uma qualidade baixa e pouco (ou nenhum) impacto real. Porém, existem sim Mega Sagas que são fantásticas e cumprem o que prometem!

Nossa lista elencou as oito melhores mega Sagas da Marvel e DC de todos os tempos.

Vamos lá?

 

1 – Crise Nas Infinitas Terras

Escrita por Marv Wolfman e desenhada por George Pérez, “Crise nas Infinitas Terras” pode ser considerada a mãe das mega sagas. A minissérie original chegou às bancas em 12 edições entre 1985 e 1986. Ela veio para acabar com o Multiverso DC e unificar a cronologia da editora. Contando com grandes eventos, como a morte da Supergirl e do Flash Barry Allen (além da introdução do Anti Monitor), a Crise reverbera até hoje na DC Comics e foi um evento extremamente bem escrito e emocionante. Praticamente todos os personagens da editora, de todos os Multiversos, participaram da saga. E quem não lembra do slogan que se tornou padrão na indústria: “Mundos viverão. Mundos morrerão. O universo nunca mais será o mesmo”?

Aqui no Brasil a crise já foi publicada diversas vezes: pela Eaglemoss em versão completa e em capa dura na coleção “DC Comics – Coleção de Graphic Novels: Sagas Definitivas” #1 (2018), pela Panini Comics completa em capa dura na edição “Crise Nas Infinitas Terras – Edição Definitiva” (2016) e em formato capa cartão em duas partes em “Crise Nas Infinitas Terras” #1 – #2 (2003) e pela Editora Abril em  minissérie formatinho “Crise Nas Infinitas Terras” #1 – #3 (1989).

“Crise nas Infinitas Terras” trouxe a ameaça do Anti Monitor para o Multiverso DC

 

2 – Guerras Secretas

Publicado em 12 partes em 1984, “Guerras Secretas” (Marvel Super-Heroes Secret Wars) foi escrita por Jim Shooter e desenhada por Mike Zeck e Bob Layton. A história é extremamente simples e divertida: um ser superpoderoso chamado Beyonder transportou a maior parte dos heróis e vilões do Universo Marvel para lutarem entre si para sua diversão. A promessa era de que o vencedores poderiam ter tudo que desejassem. A saga teve grandes confrontos mas não foi lá muito importante para a continuidade como um todo e teve apenas uma grande consequência: o surgimento do uniforme negro do Homem-Aranha (ou Venom).

A Mega Saga, também considerada uma das precursoras desse tipo de evento, foi publicada no Brasil algumas vezes. A Panini Comics lançou a saga em capa cartão e em 4 partes na “Coleção Histórica Marvel: Guerras Secretas” #1 – #4 (2016),  em volume único (também em capa cartão) em “Guerras Secretas” (2008) e em volume único de luxo em “Guerras Secretas – Edição Especial” (2016). Já a editora Salvat publicou em capa dura e duas partes em “Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel” #6 – #7 (2015). A Abril, primeira a publicar a saga, a publicou em “Capitão América” #119 (1989) e em “A Teia do Aranha” #62 – #66 (1994).

“Guerras Secretas” de 1984 uniu o Universo Marvel contra o poderoso Beyonder

 

3 – Crise Infinita

“Crise Infinita” é a continuação direta da Mega Saga “Crise nas Infinitas Terras”. Escrita por Geoff Johns e com desenhos de Phil Jimenez, Jerry Ordway, George Pérez, Ivan Reis a história acompanha 3 sobreviventes da Crise original que viram seus mundos simplesmente deixarem de existir: Alexander Luthor Jr. da Terra 3, Superman da Terra 2, Superboy Primordial e Lois Lane da Terra 2. Eles começam a se decepcionar com os rumos que a nova e única terra está tomando: A Morte do Superman, A Queda do Morcego, Crepúsculo Esmeralda (ou a Queda de Hal Jordan), Morte de Donna Troy e outros eventos sombrios fazem com que eles comecem a se questionar se tomaram a melhor decisão permitindo que esse mundo nascesse enquanto os seus respectivos mundos faleceram. A saga dialoga muito com o conceito de esperança e legado e tem o nascimento de um grande vilão: Superboy Prime. O desenvolvimento da história e suas consequência são muito impressionantes e tornam a saga digna de estar na lista.

“Crise Infinita” (Infinite Crisis) saiu originalmente em sete edições nos EUA. Aqui no Brasil ela foi publicada pela Panini em uma minissérie em 7 edições “Crise Infinita” #1 – #7 (2006) e em capa dura com a saga completa em “Crise Infinita – Edição Definitiva” (2015).

Geoff Johns escreveu a continuação da “Crise nas Infinitas Terras” em 2005

 

4 – Guerra Civil

Escrita por Mark Millar e desenhada por Steve McNiven, “Guerra Civil” (Civil War) foi uma minissérie em 7 volumes publicada em 2006 pela Marvel Comics. Na história, dois grandes pilares da editora, Capitão América e Homem de Ferro, estão em lados opostos após uma tragédia envolvendo a morte de crianças por conta de super heróis pouco experientes. Enquanto o Homem de Ferro defende o registro de super humanos, o Capitão América é terminantemente contra. Os heróis se dividem em grupos (quase facções) e a Guerra Civil tem início. Sem sombra de dúvida, uma ideia incrível com uma execução impecável! As consequências da saga são profundas com a morte do Capitão América, a ascensão da iniciativa de Tony Stark e outras mudanças. Os heróis da Marvel permaneceram divididos durante muito tempo por conta dessa história.

“Guerra Civil” (Civil War) foi lançada no Brasil pela Panini Comics em uma minissérie em 7 partes “Guerra Civil” #1 – #7 (2007) e completa com capa dura em “Marvel Deluxe: Guerra Civil” (2010). Além da Panini, a editora Salvat publicou em “Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel” #50 (2014).

Uma grande ideia e uma execução impecável fazem “Guerra Civil” de Mark Millar memorável

 

5 – Crise de Identidade

Crise de Identidade (Identity Crisis) chegou em formato de minissérie em 7 edições no ano de 2004. O escritor Brad Meltzer e o desenhista Rags Morales foram os responsáveis pela história. O enredo acompanha a morte brutal de Sue Dibny, a mulher do Homem Elástico, e a busca pelo vilão Dr. Luz – o principal suspeito. O problema é que a investigação desenterra acontecimentos nebulosos envolvendo os heróis da Liga da Justiça. E, quanto mais a investigação avança, mais vemos os heróis envoltos em mistérios do passado e um vilão que pode não ser exatamente o que parece. Uma das grandes frases da HQ é dita pelo Batman: “Quem se beneficia quando o membro da família de um super herói morre?”. Com um final surpreendente, Meltzer provou que nem só de Guerras Cósmicas e Multiversos vivem as Mega Sagas.

A saga foi publicada no Brasil pela Panini Comics em formato minissérie “Crise de Identidade” #1 – #7 (2005)e completa em capa cartonada e capa dura em “Crise de Identidade” (2007). A Eaglemoss também publicou a saga completa com capa dura em “DC Comics – Coleção de Graphic Novels: Sagas Definitivas n° 4”.

Brad Meltzer entrega uma história pessoal e diferente de todas as outras Mega Sagas em “Crise de Identidade”

 

6 – O Cerco

“O Cerco” (Siege) foi uma minissérie em 4 edições lançada em 2010 pela Marvel Comics. A saga foi escrita por Brian Michael Bendis e é o desfecho de um arco que começou em “Vingadores : A Queda” (Avengers: Disassembled). Na história acompanhamos o ato final de um alucinado Norman Osborn e seus Vingadores Sombrios. Osborn, nessa época, era o diretor do M.A.R.T.E.L.O (o equivalente maligno da Shield) e era considerado um herói nacional enquanto os verdadeiros heróis eram caçados e exilados. Como sempre, o personagem decide “abocanhar mais do que pode” e faz um cerco a Argard – que nessa época ficava sobrevoando uma pequena cidade nos EUA. A história marca o retorno do Capitão América (dado como morto desde “Guerra Civil”) e a volta da tríade pilar dos Vingadores. Uma história incrível que dá início a Era de Heróis (confira aqui nosso review sobre a saga!).

A Mega Saga foi publicada no Brasil pela panini em formato minissérie “O Cerco” #1 – #4 (2011) e também em formato capa dura e completa em “Marvel Deluxe: Thor” #3 (2016) e a editora Salvat publicou a história completa em “Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel” #60 (2015).

O Cerco fecha uma grande fase de Brian Michael Bendis nos Vingadores

 

7 – Flashpoint

“Ponto de Ignição” (Flashpoint) foi uma minissérie em 5 edições que foi escrita pelo roteirista Geoff Johns em 2011. Na história, Barry Allen (Flash) acorda em um Universo completamente diferente do seu. Nesse paradoxo, sua mãe (originalmente morta pelo Flash Reverso) está viva e bem. Mas, isso muda tudo – e uma série de eventos, no melhor estilo “Efeito Borboleta”, muda todo o planeta. Nessa nova realidade, não temos Superman, o Batman é Thomas Wayne, Aquaman e Mulher Maravilha estão em Guerra.. e muitas outras mudanças! Agora o Homem mais Rápido do Mundo precisa fazer tudo voltar ao normal. As cenas de luta icônicas (quem não lembra da Mulher Maravilha decapitando a Mera?) e o desenvolvimento da história são incrivelmente bons! Vale lembrar que essa história deu origem aos Novos 52 da DC Comics.

A saga foi publicada no Brasil pela Panini Comics em formato minissérie “Ponto de Ignição” #1 – #5 (2012) e pela Salvat em capa dura e completa em “DC Comics – Coleção de Graphic Novels” #60 (2018).

Geoff Johns mostra mais uma vez que entende muito de DC em “Ponto de Ignição”

 

8 – Infinito

“Infinito” (Infinity) é uma saga que foi publicada originalmente em 6 partes em 2014. Nela, o escritor Jonathan Hickman nos presenteia com uma das melhores histórias de Thanos. Na história, os Vingadores saem da Terra para se reunir com o Conselho Galáctico. Thanos, ao descobrir que a Terra está sem seus principais protetores, decide invadir. Diferente das outras Mega Sagas da lista, “Infinito” está intimamente ligado a fase de Hickman nos Vingadores e Novos Vingadores. Se quiser ler, sem correr o risco de se perder confira o nosso Guia de Leitura de “Infinito” clicando aqui.

A saga de Hickman foi publicada no Brasil em formato minissérie “Infinito” #1 – #6 (2014) e em capa dura com a história completa em “Infinito” (2017).

Jonathan Hickman mostra todo seu potencial na Mega Saga Infinito

 

 

Bônus – Guerras Secretas (2015)

Em 2015, após algumas histórias fantásticas a frente dos Vingadores, Hickman entregou a saga que vinha sendo prometida desde o seu início: “Guerras Secretas” (Secret Wars). A saga tem como objetivo unificar o Multiverso Marvel. Com uma enorme quantidade de Tie-ins a saga narra a morte do Multiverso e o encontro definitivo entre o Universo 616 (tradicional) e o Universo Ultimate da editora. Após o encontro personagens como Miles Morales passam a habitar o Universo regular. A relação de Destino e Reed Richards é um dos pontos altos da Saga que é recheada de ação.

Lançada originalmente em “Secret Wars (2015)” #0 – #9 a saga foi publicada no Brasil em formato minissérie pela Panini Comics em “Guerras Secretas” #1 – #9.

 

 

“Guerras Secretas” de 2015 é um marco para a Marvel e a fase de Jonathan Hickman.

A inclusão das “Guerras Secretas” como um bônus foi uma dica do amigo Daniel Nascimento via Whatsapp!

 

Qual sua Mega Saga favorita da DC e da Marvel?

Conte para a gente nos comentários!

Fique ligado no Ultimato do Bacon para mais notícias e matérias sobre HQ´s!

 

 

 

 

Acessem nossas redes sociais e nosso link de compras da amazon

Instagram 

Facebook

Amazon