A Lenda de Golem (The Golem)
Ano: 2018 Distribuição: PlayArte
Estreia: 13 de Junho de 2019 (Brasil)

Direção: Doron Paz, Yoav Paz

Roteiro: Ariel Cohen

Duração: 95 Minutos  

Elenco: Hani Furstenberg, Ishai Golan, Brynie Furstenber, Konstantin Anikienko

Sinopse: “Uma vila judaica do século 19 é invadida por pagãos. Para salvar a família e seu povoado, Hanna, uma fiel com vasto conhecimento na mitologia judaica, decide invocar a ajuda de uma antiga criatura: o Golem. Invocado no barro, o garoto ganha vida e faz de tudo para proteger sua criadora, inclusive matar qualquer inimigo.”

 

A Lenda de Golem - O Ultimato 1

 

Alexandre Baptista

A Lenda de Golem tem ótima premissa, mas desempenho abaixo do esperado

Lenda judaica é explorada de maneira burocrática e pouco envolvente no longa que estreia amanhã, 13 de junho nos cinemas

por Alexandre Baptista

A Lenda de Golem - O Ultimato 2

 

As figuras obscuras fazem parte do imaginário humano desde tempos imemoriais. Assim como o grande mistério “de onde vem a vida”, a mente humana busca explicações para fenômenos desconhecidos e povoa sua tradição oral e literária com seres místicos, imanentes e transcendentes: bruxas, demônios, espíritos, deuses, elfos, hobbits e tantos outros.

Quando um número grande pessoas de fato acredita nesses seres, isso passa a ser religião. Temos assim o Deus cristão e judaico; Alá; as divindades africanas; o espiritismo; entre outras: mitologias que ainda têm um número grande de fanáticos, fadadas à permanência ou ao esquecimento de acordo com a eficácia e eficiência de seu próprio “marketing”.

O Golem é uma das grandes lendas difundidas pela Cabala, disciplina do judaísmo que estuda a Torá (as escrituras sagradas desta religião). Aproveito para pedir perdão aos judeus de saída: embora tenha pesquisado para escrever este texto, posso estar cometendo algum equívoco.

O Golem é uma vida artificial, criada através de um ritual e elementos místicos. Geralmente feito a partir do barro, não possui a mesma característica da vida divina – uma vez que é uma “vida” conjurada por mãos humanas – sendo assim um ser imperfeito, obtuso, pouco inteligente e sem habilidade da fala.

A premissa de A Lenda de Golem se inpira na primeira história que figura o personagem, publicada originalmente em 1847. No entanto, ela funciona como uma continuação do conto (que ganhou uma adaptação para os cinemas em O Golem, Como Ele Veio ao Mundo (Der Golem, wie er in die Welt kam, 1920) por Paul Wegener.

Na trama, anos depois da primeira criação e destruição do Golem por um rabino, um vilarejo judeu vive dentro dos costumes e crenças da religião. Hanna e Benjamin são casados e seguem as palavras da Torá. No entanto o casamento deles vai mal pelo que parece ser um problema de fertilidade do casal.

Essa dinâmica familiar e religiosa – que serviria como um pano de fundo para os fatos que se desenrolam posteriormente no longa – acabam sendo a tônica principal da narrativa, transformando uma premissa interessantíssima ao terror em um drama meia-boca, permeado de discursos ideológicos velados.

Ao longo do filme, ficamos sabendo que o casal perdeu um filho, que se afogou em um rio. Ao mesmo tempo, pagãos invadem de maneira truculenta as terras do povoado judeu, causando mortes e caos. Eles exigem que a curandeira da vila salve a filha do líder do grupo invasor, contaminada pela peste.

Hanna, num ato de rebeldia contra as orientações do sacerdote, usa das lendas antigas do judaísmo para invocar o Golem. Assim, a criatura vem à vida, aparecendo na forma de uma criança, vista pela mulher como seu filho morto Joseph.

Só que, para chegar nesse ponto, a produção, que tem pouco mais de uma hora e meia de duração, gasta quase dois terços do filme. O ritmo é péssimo e o espectador passa a realizar seus próprios rituais na cadeira do cinema para que o Golem venha logo. Cheguei a pedir para que ele viesse me buscar dali. Mas infelizmente não funcionou.

Os figurinos e cenários oscilam, ora parecendo uma novela qualquer da rede do Bispo, ora parecendo algo um pouco melhor… algum home video qualquer de produtora norte-americana.

O elenco é bastante ruim, chegando a distrair o público com expressões exageradas em determinados momentos e a completa ausência de expressão em outros. No entanto, justiça seja feita, Konstantin Anikienko, o garotinho que faz o Golem, se salva. Sua expressão de impassividade é perfeita e assustadora, sendo o único ponto admirável (além da premissa) neste filme.

A trilha sonora de Tal Yardeni mostra que o músico tem boas inspirações e um direcionamento que talvez indique um futuro promissor na indústria. O único detalhe é: certamente mostraram um filme diferente para que ele compusesse a trilha. Temas épicos no melhor estilo blockbuster de galáxias muito distantes em um drama de época não me parece ser uma escolha consciente. Prefiro acreditar que ele fez a trilha para outro filme e esqueceram de notifica-lo sobre a mudança.

Considerando que a maioria dos nomes envolvidos na produção tem pouca experiência no mercado, é possível reconhecer que existe um certo potencial. É normal que o trabalho de roteiristas, atores e atrizes, diretores e produtores evolua conforme sua experiência e ganhe refinamento com a possibilidade de mais recursos proporcionados por maiores orçamentos.

Por outro lado, percebe-se também que a maioria dos nomes faz parte de uma das comunidades mais corporativistas que existe no planeta. Absolutamente nada contra, manda quem pode, obedece quem tem juízo. Mas não é à toa que um filme com esta qualidade tenha chegado a um lançamento e um burburinho tão injustificados e desproporcionais.

Shalom!

 

 

A Lenda de Golem - O Ultimato 3

Avaliação: Ruim

 

 

 

Trailer

 

 


Acessem nossas redes sociais e nosso link de compras da amazon

Instagram

Facebook

Amazon